Boneca sexual é capaz de negar sexo para abusador, acredita?

Samantha foi criada para reconhecer interações mais violentas

por João Paulo Martins 18/06/2018 08:50

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Instagram/syntheaamatus/Reprodução
(foto: Instagram/syntheaamatus/Reprodução)
Os robôs sexuais, ou sexbots, estão cada vez mais realistas e, em breve, serão capazes até de entrar em "greve de sexo". Exemplo disso é a boneca sexual Samantha, criada peo cientista espanhol Sergi Santos e sua esposa Maritsa Kissamitaki, por meio da empresa Synthea Amatus, em demonstração realizada para acadêmicos ingleses, deixou a plateia de boca aberta ao negar o ato sexual. A informação foi publicada pelo tabloide britânico Daily Star.

A apresentação de Samantha, no Centro de Ciência da ONG Life, em Newcastle, na Inglaterra, fez parte de um painel sobre "sexo robótico" e a intenção de Sergi Santos era mostrar o funcionamento do código moral da boneca. Ela é dotada de sensores escondidos sob a pele para poder responder ao afeto como uma garota da vida real. Mas, também possui um "cérebro" eletrônico revolucionário que a deixa tomar decisões em relação ao parceiro humano, como informa o Daily Star.

Segundo o cientista espanhol, a sexbot foi construída para agradar, incluindo a capacidade de ronronar como um gatinho e sussurrar carinhos, mas apenas se estimulada da maneira correta. O microprocessador dentro de seu crânio de plástico é capaz de "lembrar" as interações anteriores com seu dono e pode melhorar as experiências futuras.

Para impedir que compradores a transformem numa "escrava sexual", Samantha está programada para entrar no modo "simulação", ou seja, para se mostrar entediada e não dar atenção aos pedidos, revela o tabloide britânico. Neste caso, seus sensores são projetados para detectar quando o toque se torna muito agressivo ou desrespeitoso – o que fará com que a boneca não responda.

Samantha ainda está em fase de protótipo e a informação da Synthea Amatus é que entre em produção em massa em breve, com um preço sugerido de 3,6 mil libras esterlinas (cerca de R$ 17,8 mil).

Últimas notícias

Comentários