Surto de toxoplasmose no Rio Grande do Sul alerta para a doença

Causado por protozoário, o problema é muito associado aos gatos

por Encontro Digital 13/06/2018 11:48

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
(foto: Pixabay)
Muito associada aos gatos, a toxoplasmose voltou a ser notícia devido ao surto da doença que está sendo enfrentado pela cidade de Santa Maria (RS). Ao todo, o município gaúcho já registrou 510 casos confirmados do problema. De acordo com a secretaria de estado de Saúde do Rio Grande do Sul, há ainda 212 casos suspeitos da doença que seguem sob investigação.

A toxoplasmose, de acordo com informações do portal do Ministério da Saúde, é causada pelo protozoário Toxoplasma gondii e apresenta quadro clínico variado – desde infecção assintomática a manifestações sistêmicas extremamente graves.

A infecção em humanos ocorre por três vias: contato direto com solo, areia e latas de lixo contaminados com fezes de gatos infectados; ingestão de carne crua ou mal cozida infectada (sobretudo de porco e de carneiro); e infecção transplacentária durante a gravidez, que é chamada de congênita.

A toxoplasmose não pode ser transmitida de humano para humano, com exceção da congênita, claro. De acordo com o ministério, cerca de 40% dos fetos de mães que adquiriram a doença durante a gestação também acabam sendo infectados.

A orientação para se prevenir a doença é evitar o uso de produtos animais crus ou mal cozidos; eliminar as fezes de gatos infectados em lixo seguro; proteger as caixas de areia; lavar as mãos após manipular carne crua ou terra contaminada; e evitar o contato de grávidas com gatos.

Segundo a secretaria de saúde do Rio Grande do Sul, no início de junho, foram coletadas sete amostras de água na cidade de Santa Maria. Quatro delas foram retiradas de açudes, duas de poços artesianos e uma em vertente d'água.

O material foi encaminhado ao Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen) do RS para análise em primeira triagem. De lá, as coletas serão encaminhadas para a Universidade Estadual de Londrina, no Paraná, ainda em junho. Os resultados devem ser divulgados em até 15 dias.

(com Agência Brasil)

Últimas notícias

Comentários