Além do coração, o cérebro também sofre durante os jogos da Copa

Especialista fala sobre as diferentes emoções enfrentadas pelos torcedores

por Da redação com assessorias 03/07/2018 14:48

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
(foto: Pixabay)
Quem leva a sério os jogos da Seleção Brasileira na Copa do Mundo chega a torcer tanto que acaba colocando a saúde em risco. Um estudo publicado na revista científica The New England Journal of Medicine, durante as partidas de futebol, há um aumento no número de ataques cardíacos e derrames. Quando o Brasil está em campo, o quadro é o mesmo: as ocorrências de infarto aumentam de 4% a 8% entre brasileiros, conforme estudo de 2013 realizado pela Universidade de São Paulo (USP).

Além do coração, a mente também passa por uma "montanha-russa" de emoções durante o Mundial da Fifa. Segundo a psicóloga Daniela Queiroz, certos jogos geram estresse e ansiedade. "Nesses momentos de tensão, a adrenalina e noradrenalina são liberadas, juntamente com o cortisol, um regulador conhecido como hormônio do estresse, e o corpo reage como se estivesse se preparando para uma situação de ataque ou de fuga", comenta a especialista.

A psicóloga lembra que algumas pessoas usam as partidas para descarregar angústias e insatisfações. "Alguns pacientes usam a Copa do Mundo como válvula de escape para liberar seus descontentamentos e frustrações, por não saberem lidar com seus problemas, e podem ficar mais agressivos e nervosos enquanto assistem aos jogos. Assim como há aquele perfil pessimista, que acha que o Mundial é perda de tempo, que o país passa por grandes problemas, sem conseguir entender que torcer contra ou deixar de assistir às partidas não vai alterar a situação politica e econômica do Brasil", afirma Daniela Queiroz.

Para ela, todos precisam de momentos de lazer, relaxamento, festa e alegria, o que campeonatos como esse proporcionam. "Durante o gol, por exemplo, a adrenalina e os neurotransmissores, como dopamina e serotonina, são liberados pelo sistema nervoso central e dão a sensação de prazer e alegria", afirma a especialista. Por isso, a dica da psicóloga é acompanhar os jogos com equilíbrio, mantendo o otimismo. "Certifique-se também de não assistir às partidas em ambientes com pessoas muito ansiosas, porque contamina o grupo todo. Reduza o volume da TV se o locutor for muito exagerado, pois isso também aumenta o estresse de quem está assistindo", orienta a psicóloga.

Últimas notícias

Comentários