Partidas finais da Copa do Brasil terão árbitro de vídeo

VAR será usado em 14 jogos a partir das quartas de final

por Encontro Digital 30/07/2018 17:43

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Saudi Gazette/Reprodução
(foto: Saudi Gazette/Reprodução)
O polêmico árbitro de vídeo, ou VAR (sigla em inglês para Video Assistant Referee), foi usado na Copa do Mundo da Rússia de 2018 e recebeu críticas e elogios. Agora, a polêmica tecnologia será utilizada na Copa do Brasil, já a partir da próxima semana. O VAR deve aparecer a partir das quartas de final da competição nacional, num total de 14 partidas. O custo de operação, segundo a Confederação Brasileira de Futebol (CBF), será de R$ 50 mil por jogo, totalizando R$ 700 mil – o valor total do investimento, incluindo treinamento de pessoal, só será divulgado ao final da competição.

O anúncio do uso da controversa tecnologia foi feito nesta segunda, dia 30 de julho, por Sérgio Corrêa, coordenador do Árbitro de Vídeo no Brasil, juntamente com Manoel Serapião, instrutor de arbitragem e criador do projeto, na sede da CBF, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro (RJ). O VAR será utilizado nos confrontos de ida e volta entre Grêmio e Flamengo; Corinthians e Chapecoense; Santos e Cruzeiro; e Bahia e Palmeiras.

Serapião explica que o objetivo é evitar erros claros da arbitragem, principalmente em lances que podem ser decisivos para o resultado da partida. Já foram capacitados 80 árbitros, sendo 32 habilitados, que não precisarão ser árbitros da Federação Internacional de Futebol (Fifa).

"Estamos contentes pelo benefício do VAR para o futebol, para evitar erros claros. A filosofia é o respeito ao telespectador. No caso da Copa do Brasil, vamos usar todas as câmeras usadas pela empresa de transmissão. Serão de 14 a 15 câmeras, dependendo da empresa, Globo ou Fox. Mas com sete câmeras, mais uma invertida, já cobrimos 95% do que ocorre em campo", comenta o instrutor.

Segundo ele, o VAR será utilizado em toda situação de gol, como impedimentos, faltas ou mão na bola, pênaltis e cartão vermelho. Em relação ao uso do sistema no Campeonato Brasleiro, ele lembra que este ano não será possível, pela grande quantidade de partidas, geralmente 10 ao mesmo tempo.

Para Sérgio Corrêa, o sistema dará mais confiança nas decisões, mas nunca terá de 100% de acerto. "Afirmo, com maior tranquilidade, que teremos 14 jogos com 98,8% de acerto, contra 93% sem o VAR. Temos certeza que vamos atingir 98% a 99% de acerto, 1% não é possível",  afirma o coordenador.

Ele frisa ainda que o planejamento da CBF está pronto para qualquer competição, na medida em que os clubes quiserem. Na Copa do Brasil, o custo com o sistema será todo bancado pela entidade. O áudio entre os árbitros, segundo ele, não será disponibilizado automaticamente aos clubes, que terão de requisitar formalmente.

(com Agência Brasil)

Últimas notícias

Comentários