Publicidade

Estado de Minas CIêNCIA

Cientistas encontram espécie rara de pterossauro

Dinossauro alado viveu 65 milhões de anos antes de seus 'irmãos'


postado em 16/08/2018 09:30 / atualizado em 16/08/2018 09:53

Descoberto nos Estados Unidos um fóssil de uma espécie rara de pterossauro, chamada Caelestiventus hanseni, que viveu 65 milhões de anos antes de seus
Descoberto nos Estados Unidos um fóssil de uma espécie rara de pterossauro, chamada Caelestiventus hanseni, que viveu 65 milhões de anos antes de seus "irmãos" alados (foto: Nate Edwards/Brigham Young University/Reprodução)
Pesquisadores americanos descobriram um fóssil de dinossauro alado, conhecido como pterossauro, considerado raro até então. Cientistas da Universidade de Brigham Young, em Utah (EUA), identificaram a espécie rara de pterossauro que viveu há cerca de 200 milhões de anos, denominada Caelestiventus hanseni, que tinha visão apurada e olfato pouco desenvolvido, segundo as primeiras análises. Os ossos da espécime foram localizados na região nordeste do estado de Utah.

Até a descoberta, havia apenas 30 espécies conhecidas de pterossauros do período Triássico (entre 250 e 200 milhões de anos atrás) e nenhum vivia em desertos. O Caelestiventus hanseni é anterior a todos os pterossauros conhecidos, tendo habitado a Terra por volta de 65 milhões de anos antes de seus "irmãos".

Segundo o paleontólogo Brooks Britt, principal autor do estudo, que foi publicado na revista Nature Ecology and Evolution, a descoberta traz novos "insights" sobre o início do pterossauros. "O pterossauros do Triássico são extraordinariamente raros", comenta o cientista no artigo de divulgação da pesquisa.

Descoberta

O importante achado dos pesquisadores americanos se deu durante uma varredura em meio a mais de 18 mil ossos, encontrados numa pedreira.  Os cientistas conseguiram retirar os fósseis de blocos de arenito.

Foram identificados parte do rosto e do crânio completo, incluindo cérebro, mandíbulas e asa. Segundo Brooks Britt, boa parte dos ossos desse raro pterossauro "parece de um animal atropelado".

Ainda de acordo com os pesquisadores, as análises do crânio mostram que mesmo os primeiros pterossauros tinham um olfato pouco desenvolvido ao contrário da visão, que era muito potente.

A equipe da Universidade de Brigham Young trabalha em parceria com Fabio Dalla Vecchia, especialista em pterossauros do Triássico associado ao Instituto Catalão de Paleontologia Miquel Crusafont em Sabadell, Espanha. Os pesquisadores também encontraram cinco esqueletos de crocodilos, que estavam em um bloco de arenito.

(com Agência Brasil)

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade