Astrônomos encontram galáxia anã orbitando a Via Láctea

Ela é intitulada Segue 1 e pode ter surgido há oito bilhões de anos

por Encontro Digital 10/08/2018 13:43

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Sloan Digital Sky Survey/Divulgação
(foto: Sloan Digital Sky Survey/Divulgação)
Astrônomos dos Estados Unidos e da Espanha descobriram um corpo celeste intitulado Segue 1, que está sendo considerado uma galáxia anã esferoidal ou um aglomerado globular (aglomerado estelar cujo formato aparente é esférico) que orbita a Via Láctea. A informação foi divulgada pelo site americano de notícias científicas Science Alert.

A descoberta, publicada na revista The Astrophysical Journal, se deu graças ao projeto de investigação do espaço Sloan Digital Sky Survey, criado no ano 2000. Conforme os pesquisadores, é mais provável que Segue 1 seja uma galáxia que foi capturada pela gravidade da Via Láctea há oito bilhões de anos.

Segue 1 pode ser classificado como um satélite opaco já que tem uma luminosidade inferior a 300 sóis, o que é pouco para um aglomerado globular. Ele é composto por estrelas velhas e escassas em metal, o que pode significar que tenha surgido quando o Universo ainda era jovem, ou seja, quando a primeira ou segunda geração de estrelas ainda não tinham se tornado supernovas, sintetizando e proliferando elementos químicos pesados.

Os cientistas calcularam a trajetória da Segue 1 e descobriram que a galáxia anã orbita a Via Láctea a cada 600 milhões de anos. Ainda de acordo com a teoria mais aceitável sobre seu surgimento, o aglomerado teria sido capturado pela nossa galáxia há oito bilhões de anos. Outra opção sugere que ela seja o maior satélite a colidir com a Via Láctea, porém, esta explicação possui apenas 25% de probabilidade de ter ocorrido.

(com Agência Sputnik)

Últimas notícias

Comentários