Publicidade

Estado de Minas SAúDE

Entenda como se forma a hérnia de disco

Problema afeta o jornalista Dony De Nuccio, apresentador do Jornal Hoje, da Globo


postado em 14/08/2018 17:22 / atualizado em 14/08/2018 17:28

O jornalista Dony De Nuccio, apresentador do Jornal Hoje, da Globo, revelou aos fãs que está se recuperando de uma hérnia de disco (detalhe)(foto: Instagram/donydenuccio/Reprodução e YouTube/Reprodução)
O jornalista Dony De Nuccio, apresentador do Jornal Hoje, da Globo, revelou aos fãs que está se recuperando de uma hérnia de disco (detalhe) (foto: Instagram/donydenuccio/Reprodução e YouTube/Reprodução)
Depois de ter ficado "sumido" da apresentação do Jornal Hoje, da TV Globo, o jornalista paulista Dony De Nuccio, de 34 anos, fez uma publicação em sua conta oficial no Instagram para esclarecer os fãs e seguidores (são mais de 403 mil). "Salve, pessoal! Como vocês viram e me perguntaram, eu explico. Estou uns dias afastado do JH [Jornal Hoje] por licença médica. Há umas três semanas uma hérnia de disco L5-S1 atacou com força total. Uma dor absurda, de não conseguir andar, e tive que ir para o hospital. Desde então, estava tomando injeção a cada dois dias e remédios fortíssimos para conseguir trabalhar", relata o apresentador, que divide a bancada do programa com a também jornalista Sandra Annenberg, de 50 anos.

Para quem não sabe, esse problema que afetou Dony De Nuccio é muito comum. Segundo a Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (Sbot), estudos demostram que 80% das pessoas apresentarão alguma queixa relacionada à coluna lombar em algum momento da vida. Desse total, 2% acaba tendo ciatalgia, que é a dor que irradia ao longo do nervo ciático, descendo por uma ou ambas as pernas a partir da lombar. "Este processo ocorre no homem ou na mulher, sem diferenças entre sexos, em torno de 35 anos de idade", diz a Sbot, em suas diretrizes sobre a hérnia de disco, que é resultado do rompimento do ânulo fibroso (parte externa do disco que existe entre as vértebras). Como consequência, surge um processo inflamatório que piora ao sentar ou após a tosse.

O diagnóstico da doença é feito por meio de exames de imagem e, segundo a Sbot, caso os sintomas persistam por mais de três a seis semanas, a
cirurgia passa a ser indicada em substituição aos medicamentos. Porém, a hérnia pode voltar. "Quando a dor ciática é provocada com o paciente sentado, existe benefício maior da cirurgia na comparação com o tratamento conservador [fármacos]. Naqueles em que a dor ciática não é provocada com o paciente sentado, o benefício da cirurgia em relação ao tratamento conservador não é notado", esclarece a Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia.

Possivelmente, no caso do jornalista Dony De Nuccio, os remédios estejam fazendo o efeito desejado e não seja preciso apelar para o procedimento cirúrgico.

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade