Governo deve implementar política pública para reduzir acidentes de trânsito

Ideia é colocar em prática o programa Road Safety, da ONU e da FIA

por Encontro Digital 01/08/2018 10:45

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
(foto: Pixabay)
Em anúncio divulgado na terça, dia 31 de julho, o Ministério das Cidades afirma que está coletando dados sobre acidentes de trânsito no Brasil para ter um perfil personalizado das principais causas de acidentes com vítimas fatais em cada região. Com esses dados em mãos, o governo pretende definir o orçamento para criar políticas públicas direcionadas a atacar essas causas.

"Nosso objetivo é reduzir, pelo menos pela metade, nos próximos oito a 10 anos, os acidentes com vítimas fatais em nossas ruas e cidades. Estamos tendo metas claras, estado a estado, para o planejamento de ações e programas com esse objetivo", comenta o presidente Michel Temer no evento em Brasília (DF).

As políticas públicas direcionadas aos estados deverão reproduzir as adotadas pelo programa Road Safety, criado pela Federação Internacional de Automobilismo (FIA) em parceria com a Organização das Nações Unidas (ONU). A cerimônia no Palácio do Planalto contou com a presença do presidente da FIA, Jean Todt, e do piloto brasileiro Felipe Massa, embaixador da FIA e da ONU para a redução de acidentes e mortes no trânsito.

O Brasil já havia assinado um acordo com essas duas entidades em 2013, mas, segundo ministro das Cidades Alexandre Baldy, as ações nunca foram implementadas. "Nós estamos recuperando esse termo de 2013 assinado entre Brasil, FIA e ONU para que possamos revigorar nossas obrigações. Todas as medidas que pude observar dentro do programa são importantes", afirma o ministro. Alguns pontos desse termo deverão ser confirmados pelo Congresso Nacional.

"O mais importante é a conscientização e educação dos usuários de trânsito. Há ainda condutores que excedem a velocidade, são 40% das causas dos acidentes. Há usuários que bebem e dirigem; há usuários que usam seus telefones celulares dirigindo. Precisamos que cada um tenha consciência, faça sua parte", completa Baldy.

O governo ainda está na etapa de coleta de dados e pretende finalizá-la em 90 dias. Para isso, conta com o apoio dos órgãos estaduais e municipais, como departamentos de transito e departamentos estaduais de estradas de rodagem.

O ministro não demonstrou preocupação com o prazo para coleta de dados e implementação do programa, considerando o fim do mandato do presidente Michel Temer, em 31 de dezembro. Ele frisa que essa é uma "política de estado", que deve ficar para a próxima gestão: "independente de acabar ou começar um governo, esta é uma política de Estado que queremos deixar".

(com Agência Brasil)

Últimas notícias

Comentários