Publicidade

Estado de Minas TECNOLOGIA

5G chega em mais capitais: conheça tudo sobre a tecnologia

O conjunto de tecnologias 5G promete solucionar todas essas questões e pavimentar o caminho para o futuro


postado em 04/08/2022 19:37

(foto: Divulgação)
(foto: Divulgação)
A era da informação transformou o acesso à internet em um recurso quase indispensável para a vida moderna: pagamentos on-line, comunicação instantânea com amigos e parentes, aplicativos de transporte e delivery, mapas, música, entre tantas outras participações em nosso cotidiano. E não é à toa, o avanço e barateamento de aparelhos como os smartphones rapidamente abriram espaço para novas indústrias que dependem por completo da constante conectividade. Hoje no Brasil há mais smartphones ativos do que cidadãos, e a chegada de aparelhos inteligentes promete aumentar ainda mais o número de apetrechos conectados via redes móveis.

É por isso que uma nova evolução na tecnologia de dados móveis era urgentemente necessária. Embora a chegada do 3G tenha revolucionado nosso acesso à internet, permitindo desde downloads de aplicativos até o funcionamento de máquinas portáteis de cartão de crédito, sua velocidade lenta limitava as aplicações. O 4G foi capaz de aumentar a velocidade, mas sofre com instabilidades, baixo número de dispositivos conectados simultaneamente, e problemas para equilibrar alcance do sinal e velocidade. Agora, o conjunto de tecnologias 5G promete solucionar todas essas questões e pavimentar o caminho para o futuro - e já estão disponíveis no Brasil em 2022. Confira.

O que são redes 5G?

Cientistas e engenheiros de instituições privadas e públicas em todo o mundo estão constantemente desenvolvendo e aprimorando as tecnologias para conectividade móvel, no entanto, seria inviável atualizar de forma constante cada equipamento - e como costumamos trocar de smartphone somente após alguns anos, os efeitos não seriam perceptíveis. Por isso, diversas inovações são agrupadas formando uma "geração" de redes móveis, e cada geração é implementada de uma vez em cada país e fabricantes. A primeira geração "1G", por exemplo, representa a telefonia analógica que conhecíamos nos aparelhos fixos. Já a rede 2G determinou a chegada do sinal digital, enquanto redes 3G e 4G aumentaram significativamente a velocidade da internet e o número máximo de aparelhos conectados. Foram esses avanços que permitiram a realidade de aplicativos como bancos digitais, apps de transporte como o Uber e aplicativos de streaming como o Spotify.

Assim, a rede 5G não é apenas uma tecnologia, mas a associação de três tipos diferentes, que prometem solucionar desafios distintos. Seu conjunto, agora disponível no Brasil, promete fazer parte do cotidiano até em situações de emergência, como explica a ExpressVPN em seu kit de sobrevivência digital. As vantagens do sinal 5G dependem do tipo de banda instalada em cada região:

1) Low-band: Usa sinais inferiores a 2 GHz, onde existiam os canais de televisão analógica que já foram desativados no país. As redes 5G low-band possuem velocidade semelhante ao 4G, mas oferecem um número muito maior de aparelhos conectados sem perder qualidade.

2) Mid-band: Ondas entre 2 e 10 GHz. Essa faixa é compartilhada com sinais de Wi-Fi, Bluetooth e 4G. Isso permite que a técnica de DSS para mesclar redes já existentes seja usada com repetidores 5G, permitindo que a transição entre antenas e áreas de cobertura seja suave e não apresente interrupções.

3) High-band: Chamada de mmWave, ou onda-milímetro, é a grande novidade chamativa das redes 5G. Suas velocidades altíssimas superam a casa dos 200 gigabits por segundo, mais rápidas que as redes domésticas de fibra óptica. A desvantagem é o alcance extremamente baixo do sinal, não superando um quarteirão por antena.

5G é expandido no Brasil: preocupação ou celebração?

Embora operadoras de internet móvel tenham implementado o "4G+" há alguns anos, o verdadeiro 5G só pode iniciar suas operações no país após um complexo processo de importação de tecnologias, leilões federais, autenticação da ANATEL e negociações internas. Além disso, os modens incluídos em smartphones precisam incluir o suporte ao sinal, e esses aparelhos passaram a ser disponibilizados com maior abundância em nosso mercado apenas em 2022 - inclusive em aparelhos de entrada, com valores mais acessíveis.

Por isso, o 5G chegou de fato ao Brasil neste Julho, na cidade de Brasília, com 80% de cobertura de seu território. O tamanho diminuto da cidade permitiu uma introdução mais rápida das novas antenas, e maiores testes de estabilidade e alcance. Agora, a tecnologia continua a se espalhar por mais cidades: a partir de 29/07/2022 o sinal de 5G também será habilitado em Belo Horizonte, João Pessoa e Porto Alegre, e poderá ser utilizado por aparelhos compatíveis e chips das principais operadoras. É possível que para muitos usuários o acesso via 5G seja significativamente mais rápido que a própria conexão de Wi-Fi doméstica, e através do uso de roteadores com chip SIM, será possível conectar novos dispositivos como lâmpadas inteligentes e alto-falantes via conexão 5G.

Em diversas partes do mundo, testes com ônibus e carros autônomos usando a rede 5G oferecem resultados promissores e um vislumbre de um futuro onde as próprias ruas e navegação na cidade também contam com ferramentas avançadas de inteligência. Mas será que o domínio do 5G deveria causar algum tipo de preocupação? Rumores on-line circulam em plataformas como o WhatsApp atrelando o sinal de 5G a uma série de doenças, transtornos mentais e até conspirações políticas - no entanto, tratam-se apenas de boatos. Especialistas explicam que as radiações emitidas pelo sinal 5G não são ionizantes, isto é, não fazem parte do espectro capaz de provocar qualquer tipo de interação com o corpo humano. Por isso, basta celebrar e antecipar a chegada do 5G em mais regiões do país, e desfrutar da próxima década de melhoria no acesso à internet. 

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade