Publicidade

Estado de Minas EDUCAçãO

Primeira chamada do ProUni recebe quase um milhão de inscrições

Resultado sairá amanhã, dia 6 de fevereiro


postado em 05/02/2019 08:49 / atualizado em 05/02/2019 08:35

(foto: Pixabay)
(foto: Pixabay)
A primeira edição do Programa Universidade para Todos (ProUni) deste ano teve 946.979 candidatos inscreitos, segundo comunicado enviado à imprensa pelo Ministério da Educação (MEC). As inscrições terminaram no último domingo, dia 3 de fevereiro. Como cada candidato podia escolher até duas opções de curso, o número de inscrições chegou a 1.820.446.

Apesar de ofertar um número recorde de bolsas de estudo – 243.888 bolsas em 1.239 instituições particulares de ensino –, o ProUni teve menos inscritos do que em anos anteriores. Em 2018, foram mais de um milhão de candidatos e, em 2017, mais de 1,5 milhão.

Os resultados da primeira chamada serão divulgados amanhã (6) e os da segunda chamada, no dia 20 deste mês. Do total de bolsas, 116.813 são integrais e 127.075, parciais, de 50% do valor das mensalidades.

O candidato pré-selecionado na primeira chamada deverá comparecer à instituição para comprovar as informações prestadas na inscrição e, se for o caso, participar de processo seletivo próprio da instituição, do dia 6 ao dia 14 de fevereiro. Para os pré-selecionados na segunda chamada, esse prazo vai do dia 20 ao dia 27 deste mês.

O registro da aprovação ou reprovação dos candidatos no sistema do ProUni e a emissão dos termos de concessão de bolsa ou termos de reprovação pelas instituições de ensino serão feitos entre os dias 6 a 18 próximos para os selecionados na primeira chamada e entre 20 de fevereiro e 1º de março, para os da segunda chamada.

O prazo para participar da lista de espera é de 7 a 8 de março. De 11 a 13 de março será divulgada a lista.

Participantes

O ProUni é voltado para estudanres que fizeram o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2018 e alcançaram no mínimo 450 pontos e tiraram nota superior a 0 na prova de Redação. Ao todo, 4,1 milhão de estudantes fizeram Enem no ano passado.

Também podem concorrer às bolsas os estudantes brasileiros sem curso superior que tenham feito o ensino médio completo na rede pública, ou como bolsistas integrais na rede privada; os que fizeram parte do ensino médio na rede pública e parte na rede privada, na condição de bolsista ou que tenha deficência física.

As bolsas integrais destinam-se a esrudantes com renda familiar per capita de até um salário mínimo e meio (R$ 1.497) e as bolsas parciais, de 50%, àqueles com renda familiar per capita de até três salários mínimos (R$ 2.994). Professores da rede pública de ensino também podem concorrer a bolsas e não precisam atender aos critérios de renda.

(com Agência Brasil)

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade