Uma Thurman revela ter sofrido assédio de Harvey Weinstein e um acidente nas gravações de Kill Bill

A atriz, finalmente, decidiu contar suas experiências com o produtor em entrevista para o jornal americano The New York Times

por João Paulo Martins 05/02/2018 12:25

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Miramax/Reprodução
A atriz Uma Thurman, famosa por estrelar os filmes Kill Bill Vols.1 e 2, revelou ao jornal The New York Times que também sofreu assédios sexuais do produtor Harvey Weinstein (foto: Miramax/Reprodução)
Em entrevista para o jornal americano The New York Times, divulgada no sábado, dia 3 de fevereiro, a atriz Uma Thurman, de 47 anos, finalmente decidiu revelar suas "experiências" nada agradáveis com o produtor Harvey Weinstein, responsável por alguns dos filmes em que ela é protagonista – como Pulp Fiction: Tempo de Violência (1994); e Kill Bill Vols. 1 e 2 (2003 e 2004). A musa dos premiados longas do diretor Quentin Tarantino conta ao periódico que foram inúmeros os assédios que sofreu do renomado produtor de Hollywood. "O complicado sentimento que tenho em relação a Harvey [Weinstein] é tão ruim quanto o que sinto pelas mulheres que foram atacadas depois de mim. Eu sou uma das razões para que jovens mulheres entrassem em seu quarto, sozinhas, como eu fiz. Quentin chamou Harvey para ser produtor executivo de Kill Bill, longa que simboliza o emponderamento feminino. E todas essas 'ovelhas' entraram no 'frigorífico' porque estavam convictas de que ninguém chegaria a tal posição se tivesse feito algo ilegal para alguém. Mas, o fez", diz Uma Thurman ao NY Times.

Para quem não lembra, em 2017, Harvey Weinstein foi acusado de assédio sexual por inúmeras mulheres, incluindo as atrizes Angelina Jolie, Gwyneth Paltrow, Mira Sorvino, Rosanna Arquette, Léa Seydoux, Cara Delevigne e Ashley Judd.

Uma Thurman continua, dizendo que conheceu Weinstein e sua primeira esposa, Eve Chilton, depois do lançamento de Pulp Fiction. "Eu o conhecia bem antes de me atacar. Ele costumava passar horas conversando comigo sobre os filmes, me elogiando. Isso acabou me cegando para os sinais de alerta. Eu nunca tinha sido uma queridinha dos estúdios. Ele sempre acertava sobre o tipo de filme e os diretores que eram melhores para mim", completa a atriz.

A intérprete da personagem sedenta por vingança, Beatrix Kiddo, em Kill Bill, revela ao jornal americano que as coisas começaram a ficar estranhas após encontro que teve com Weinstein num hotel em Paris. Eles estavam conversando sobre um roteiro quando Harvey apareceu vestindo roupão. "Eu não me senti ameaçada. Achei que ele estava sendo super idiossincrático, como se fosse um tiozão excêntrico", afirma Thurman. Ainda segundo ela, o produtor pediu que o seguisse. Eles caminharam por alguns cômodos e chegaram até a porta da sauna. "Eu estava lá, em pé, vestindo botas, calça e jaqueta, tudo de couro preto. Estava muito quente. Eu disse: 'isto é ridículo, o que você está fazendo?' E ele ficou muito frustrado, bravo e saiu correndo dali", conta a artista.

Depois desse incidente, o primeiro "ataque" propriamente dito, conforme Uma Thurman, teria ocorrido no hotel Savoy, em Londres, Inglaterra. "Foi como uma porrada na cabeça. Ele me empurrou, tentou se jogar em cima de mim. Ele tentou se exibir. Ele fez todas as coisas desagradáveis. Mas, na verdade, não forçou nada contra mim. Você acaba parecendo um animal tentando fugir, como um lagarto se esgueirando. Eu estava fazendo tudo que podia para por as coisas de volta nos trilhos. Nos meus trilhos, não nos dele", afirma a atriz, que foi indicada ao Oscar em 1995 e venceu um Globo de Ouro em 2002.

Por meio de um porta-voz, Harvey Weinstein negou as acusações de Thurman ao The New York Times e disse que achava que ela era uma "atriz brilhante". Ele disse também que tinha conhecimento das reuniões citadas por ela, e que o "encontro" em Paris teria sido "uma relação de trabalho flertiva e engraçada". "O sr. Weinstein reconhece que 'xavecou' a senhora Thurman na Inglaterra, depois do desentendimento em Paris. Ele imediatamente se desculpou", diz o assessor do produtor, conforme noticiado pelo jornal.

Acidente

Além dos assédios sexuais que teria sofrido de um dos fundadores da produtora The Weinstein Company, Uma Thurman também revelou ao NY Times que sofreu um acidente numa gravação do filme Kill Bill, porque o diretor Quentin Tarantino a teria forçado a gravar, sem o uso de uma dublê.

Conforme a atriz, numa cena em que a personagem Beatrix Kiddo aparece dirigindo um carro conversível em alta velocidade por uma estrada de terra, o renomado diretor insistiu que ela estivesse ao volante. Thurman, porém, disse que estava insegura, porque o veículo havia passado por uma revisão e não estava confortável para guiá-lo. A atriz pediu que fosse usada uma dublê, o que teria revoltado Tarantino.

A artista acabou fazendo a cena, que terminou num acidente de verdade. Na batida, Uma Thurman teria sofrido uma concussão e seus joelhos acabaram machucados, deixando sequelas que perdurariam até hoje. Como a batida não faz parte do filme, a atriz pediu as imagens à produtora Miramax, que se negou, na época. Somente 15 anos após o incidente, o diretor Quentin Tarantino enviou a gravação para ela.

Assista, abaixo, ao acidente sofrido por Thurman durante as gravações de Kill Bill:

Últimas notícias

Comentários