Publicidade

Estado de Minas LITERATURA

Curador fala sobre a oitava edição do Fliaraxá

Festival literário da cidade mineira ocupa mais uma vez o Grande Hotel, com palestras, debates e workshops


postado em 18/06/2019 16:35 / atualizado em 18/06/2019 17:07

Em 2018, o Fliaraxá reuniu mais de 30 mil pessoas (foto: Frankli Caldeira/Divulgação)
Em 2018, o Fliaraxá reuniu mais de 30 mil pessoas (foto: Frankli Caldeira/Divulgação)
Terra das águas termais, a turística Araxá, na região mineira do Alto Paranaíba, será, durante cinco dias, a terra das letras. Afinal, começa nesta quinta-feira (19) a oitava edição do festival literário da cidade, o Fliaraxá, um dos mais importantes do Brasil, e que, este ano, chega com o tema "Literatura, Leitura e Imaginação".

Durante o evento, que terá mais uma vez como palco o Grande Hotel, o público poderá assistir palestras e participar de debates, workshops e sessões de leitura, entre outras atividades, incluindo musicais e gastronômicas. Estarão presentes no festival mais de 100 convidados, incluindo o escritor angolano Walter Hugo Mãe - homenageado dessa edicão -, o jornalista Edney Silvestre, os renomados escritores Luiz Ruffato e Marina Colasanti, além do ator Thiago Lacerda, que fará leituras de Machado de Assis, patrono da Fliaraxá 2019.

Criador e curador do festival, o jornalista, escritor e gestor cultural Afonso Borges espera que o evento mantenha o sucesso das edições anteriores: "No ano passado, tivemos quase 30 mil pessoas presentes, e esperamos superar este número. São turistas e moradores atraídos não só pela literatura, mas por todas as outras atrações que o festival oferece, como a parte de gastronomia e a programação musical", diz.

Ele destaca, ainda, que o Fliaraxá fomenta a literatura, estimulando o surgimento de novos leitores e autores por meio do contato do público com as atividades e com os convidados nacionais e internacionais do evento. "Isso é motivo de muito orgulho e espero que essa oitava edição renove esse legado", completa Afonso Borges.

O curador concorda com a famosa afirmação de pesquisas de opinião que dão conta de que o brasileiro lê pouco. Entretanto, ele diz que prefere ser otimista quanto a isso, acreditando que essa realidade mudará, inclusive com iniciativas dos festivais literários: "O Fliaraxá nos prova isso através de um legado de formação por meio da literatura. Nossa programação proporciona a experiência viva da cultura impressa nas páginas dos livros e na presença de centenas de autores e autoras conversando com o público. Quem topa participar das nossas atividades, sai de lá transformado", garante.

Isso, ainda segundo ele, passa inclusive pelo tema do Fliaraxá deste ano: "Literatura, Leitura e Imaginação. Afonso Borges diz que a ideia é "trazer para o imaginário particular a experiência de vida dos outros" e que somente a literatura e a imaginação contida nos livros de ficção tem o poder de proporcionar isso.

Ele também se mostra satisfeito com a "casa" do festival, o Grande Hotel. Para ele, a beleza, o estilo e os valores históricos e culturais do local valorizam ainda mais o evento. "É uma obra cheia de simbologias que vão de encontro com a energia do Fliaraxá. Nesse ano, chegamos à oitava edição. E, no Grande Hotel, o número oito foi determinante no projeto arquitetônico: são oito entradas de banho, oito afrescos, oito vitrais, oito painéis, oito colunas e oito pontas na mandala", finaliza Afonso Borges.

Mais informações sobre a Fliaraxá 2019 e a programação completa do festival literário podem ser vistas no site oficial do evento.

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade