Será que a catuaba, a 'bebida do Carnaval', faz bem para a saúde?

Os foliões adotaram essa bebida alcoólica como a queridinha da festa

por Encontro Digital 08/02/2018 11:21

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Instagram/selvagemoficial/Reprodução
Especialista alerta que a catuaba, bebida escolhida pelos foliões como "símbolo" do Carnaval, pode parecer saudável mas não é. Rica em açúcar e álcool, seu excesso faz muito mal (foto: Instagram/selvagemoficial/Reprodução)
A catuaba selvagem se tornou a bebida favorita dos foliões durante o Carnaval, especialmente em Belo Horizonte. Poucos sabem, mas a versão original, produzida pela Arbor Brasil, é feita à base de vinho tinto, com suco de maçã, guaraná, marapuama e outros ingredientes, incluindo a própria planta, embiruçu, ou catuaba (Eriotheca candolleana). Seu teor alcoólico chega a 16%. Porém, apesar da aparência de bebida "à base de ervas" que não faz mal, ela pode causar problemas, especialmente se consumida em excesso. "Ela é uma bebida processada, com aditivos químicos e açúcar adicionado", diz a nutricionista Clarissa Fujiwara, da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica, em entrevista para o portal Bol.

A especialista lembra que pessoas que estão fazendo dieta devem evitar a catuaba. O rótulo não informa a quantidade de cada componente, mas o açúcar é um dos primeiros da lista, o que mostra ser o de maior volume na bebida "carnavalesca".

O sabor doce da catuaba, que, agora, possui outras versões, ainda mais apelativas para os foliões, pode levar ao consumo excessivo, gerando os efeitos negativos do álcool. Conforme a nutricionista, este componente é ainda mais calórico do que a proteína e o carboidrato, por exemplo. Na concentração de 14 gr de álcool a cada 100 ml, cada dose da bebida pode conter nada menos que 98 calorias.

Clarissa Fujiwara explica que não existem estudos mostrando supostos efeitos benéficos da planta catuaba para o organismo. Ainda assim, a bebida queridinha do Caranval pdoe causar um efeito vasodilatador, o que ajuda na hora da relação sexual, mas seu consumo além do limite pode gerar depressão no Sistema Nervoso Central. Com isso, a libido e a potência sexual caem drasticamente.

A especialista alerta ainda que, assim como as demais bebidas, a ingestão de álcool em excesso afeta o fígado, órgão responsável pela metabolização desta substância. Sobrecarregado, ele deixa de quebrar as moléculas do álcool – em média, um corpo de bebida alcoólica leva cerca de uma hora e meia para ser metabolizada. Além disso, o açúcar proveniente da catuaba não é aproveitado pelo organismo, o que pode causar hipoglicemia, já que o folião deixa de se alinentar corretamente, além de desidratação, pela falta de água. Em casos mais graves, pode surgir o coma alcóolico. Com o uso constante e exagerado de álcool, a lesão no fígado pode ocasionar a cirrose hepática, quando o órgão vai aos poucos deixando de funcionar.

Portanto, a nutricionista recomenda o consumo consciente da bebida "carnavalesca", aliada à ingestão adequada de água e de alimentos leves (ainda mais no calor).

Últimas notícias

Comentários