Publicidade

Estado de Minas GASTRÔ

Saiba como harmonizar vinhos com pratos típicos do inverno

Fondues, massas e queijos combinam muito com a "bebida do deus Baco"


postado em 02/07/2019 15:29 / atualizado em 04/07/2019 14:59

O fondue é um dos pratos mais consumidos durante o inverno e pode ser perfeitamente harmonizado com vinho(foto: Pixabay)
O fondue é um dos pratos mais consumidos durante o inverno e pode ser perfeitamente harmonizado com vinho (foto: Pixabay)
Inverno lembra frio, claro, mas também lembra comida, e vinho! Então, nada melhor que combinar isso tudo, curtindo as baixas temperaturas e harmonizando a bebida com pratos saborosos

Para que tudo dê certo com a harmonização, é necessário saber qual tipo de vinho combina com o que você está pensando em preparar na cozinha ou comprar pronto, sobretudo se for fondue, massa, risotocaldo, feijoada ou queijos

Portanto, veja as dicas da importadora Casa Rio Verde:

Fondues

Fondues são a cara do inverno. No Brasil, os preferidos são fondues de queijo, carne e chocolate. Os de queijo harmonizam bem com  vinhos brancos e rosés. Se for um queijo de sabor mais forte procurar por um branco mais estruturado e envelhecido. Pode também combinar com um tinto leve, de taninos macios e bom frescor. Os foundes de carne pedem vinhos tintos com boa estrutura, bom frescor e taninos macios. Para acompanhar os fondues de chocolate nada melhor que um vinho também doce, como vinho do porto, espumante moscatel e colheita tardia.

Em reuniões maiores, as sequências de fondue são uma boa opção - queijo, carne e chocolate. Aproveite para testar seu paladar, fazendo a harmonização correta para cada prato. Se não for possível, escolha um vinho mais leve que "suporte" as três opções.

Caldos

Um caldo quentinho aquece qualquer coração. Em Minas a tradição são os caldos de mandioca, fubá, verde, legumes, feijão, capeletes e ministrones. A escolha do vinho vai depender mais uma vez da "intensidade" do prato. Se for um caldo substancioso e muito condimentado, com carnes, bacon etc o melhor são tintos jovens, com bom frescor e pouco tanino. Se for mais leve, como legumes, a opção pode ser por brancos de boa estrutura, rosés mais intensos ou tintos leves e macios. Lembrem-se que quanto mais aromático e saboroso for o caldo mais aromático e saboroso precisa ser o vinho.

Massas

As massas fazem parte da mesa dos brasileiros, principalmente nos dias mais frios.  Seguindo a boa tradição italiana, pensar em massa é pensar em vinho. Nesse caso, o que define a harmonização é o tipo de molho, e não de massa. Os mais condimentados e gordurosos pedem vinhos tintos, com taninos macios e boa acidez. Molhos mais leves combinam com rosés, brancos e espumantes. A dica é: se optar por molho vermelho vá de tinto, se optar por molho branco vá de branco ou rosé. Vale lembrar também que quanto mais pesado for o prato mais encorpado precisa ser o vinho, seja ele tinto, branco ou rosé.

Feijoada

Quem disse que feijoada só combina com cerveja ou caipirinha? Pelas características do prato, os espumantes são uma excelente opção, pois ajudam a "limpar" a gordura.

Risotos

Assim como com as massas, a harmonização vai depender do tipo de risoto. Para o risoto de funghi recomenda-se tintos com boa estrutura, de boa complexidade aromática, boa acidez e taninos redondos. Para os de queijo a melhor opção são os brancos de boa estrutura como os de uva chardonnay ou viognier, além de tintos com taninos bem macios como os pinots do novo mundo e os de uva gamay como beaujolais. Para acompanhar os risotos de carne e linguiça, a dica é tomar cuidado com tintos muito tânicos, principalmente se a linguiça utilizada for mais picante.

Queijos

No inverno é difícil pensar em queijos sem pensar em vinhos. Embora mais associados ao vinho tinto, os brancos são bem mais versáteis. É o caso de queijos de massa mole, como como brie e camembert que casam bem como as uvas Torrontés, Sauvignon Blanc, Gewurztraminer, Viura e Loureiro.

Já queijos como gorgonzola, roquefort e stilton com sabor acentuado e alto teor de gordura harmonizam muito bem como os chamados vinhos fortificados (vinhos de sobremesa) como o Porto, tintos doces de colheita tardia, o Moscatel de Setúbal ou o Vino de Misa.

Os queijos curados por mais tempo e de sabor mais intenso como o parmesão, grana padano, serra do salitre 60 dias, canastra curado, etc, pedem vinhos brancos envelhecidos e tintos de bom corpo, grande complexidade e taninos maduros.

Outras dicas, você confere de harmonização estão disponíveis no site www.casarioverde.com.br/harmonizacao

*Com assessoria da Casa Rio Verde

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade