Publicidade

Estado de Minas CURIOSIDADE

Mulher tem choque anafilático após sexo oral

Ela apresentou uma rara reação alérgica ao sêmen


postado em 14/03/2019 11:46 / atualizado em 14/03/2019 11:51

(foto: Pexels)
(foto: Pexels)

Um caso inusitado ocorrido na Espanha acabou se transformando em objeto de um estudo, que foi publicado no dia 8 de março no periódico científico BMJ Case Reports. Uma mulher desenvolveu uma reação alérgica grave após uma relação sexual. O problema pode ter sido desencadeado pelo sêmen do parceiro, de acordo com os cientistas. A informação foi divulgada pelo portal americano Live Science, especializado em notícias científicas.

A mulher de 31 anos – que não não teve a identidade revelada –, moradora da cidade espanhola de Alicante, começou a empelotar, a vomitar e ficou com dificuldade para respirar depois de fazer sexo oral no parceiro de 32 anos, segundo o estudo. Ao ser atendida no hospital, a paciente foi diagnosticada com anafilaxia – reação alérgica grave que pode colocar a vida em risco.

Como mostra o Live Science, a mulher não estava tomando nenhum medicamento e não tinha comido qualquer alimento que pudesse desencadear esse tipo de reação em pessoas sensíveis, como camarão e amendoim. Mas seu parceiro estava tomando o antibiótico amoxicilina para uma infecção no ouvido. O fármaco em questão está relacionado à penicilina e, à equipe médica que a atendeu, a espanhola revelou ser alérgica a essa substância bactericida descoberta em 1928.

Portanto, os pesquisadores acreditam que a reação alérgica da mulher tenha sido desencadeada pela amoxicilina que se concentrou no sêmen do parceiro, ao qual ela foi exposta durante o sexo oral.

De acordo com a cientista Susana Almenara, do Hospital Universitário Geral de Alicante, na Espanha, co-autora da pesquisa, em conversa com a Live Science, diz que está é a "primeira vez que lidamos com um caso de reação alérgica relacionada a uma relação sexual".

Vale lembrar que alergias relacionadas ao sêmen são raras, mas já foram relatadas anteriormente. Em alguns casos, as pessoas são alérgicas a proteínas presentes no sêmen, mas em outros casos, parecem ser alérgicas às substâncias ingeridas pelo homem e que se encontram no líquido seminal.

Após ser devidamente medicada, incluindo injeção de epinefrina (neurotransmissor mais conhecido como adrenalina), a moradora de Alicante apresentou melhora gradual e, após seis horas, já estava respirando normalmente. Uma semana depois, ela se recuperou totalmente, conforme o estudo recém publicado.

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade