Centro de treinamento da UFMG vai receber atletas britânicos

Nadadores e corredores britânicos chegam, em julho, ao Centro de Treinamento Esportivo da UFMG. É lá que eles vão se reparar para as Olimpíadas do Rio. Graças à infraestrutura, o espaço foi disputado por atletas de vários países

por Rafael Campos 14/06/2016 14:26

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Denis Medeiros/Encontro
Pista de atletismo: nove raias revestidas com piso sintético, além de setores para as modalidades de salto em altura, salto em distância, salto triplo e para salto com vara (foto: Denis Medeiros/Encontro)
Demorou três décadas, mas finalmente o professor de atletismo Leszek Szmuchrowshi está diante do sonho realizado. "É como se um ciclo tivesse se fechado", diz o polonês, olhando para a estrutura do Centro de Treinamento Esportivo (CTE-UFMG), erguido na Pampulha. Hoje, Leszek é coordenador de atletismo, mas há décadas desempenhou uma função mais importante: ajudar a tirar do papel o projeto de um complexo de ponta para formar e treinar atletas. O grande teste será em julho, quando chegam os nadadores e corredores britânicos que vão utilizar o espaço na preparação para as Olimpíadas do Rio, que serão realizadas entre os dias 5 e 21 de agosto. Além dos suditos da rainha, Mutaz Essa Barshim, atleta do Qatar na modalidade de salto em altura e uma das grandes apostas de medalha de ouro, é outro que escolheu treinar no espaço, erguido atrás do Centro Esportivo Universitário da UFMG, na Pampulha.
   
Entretanto, não apenas atletas olímpicos movimentam o CTE. Diariamente, no atletismo, jovens atletas que fazem parte do Programa de Desenvolvimento do Esporte da UFMG utilizam a boa estrutura para se aperfeiçoarem e, claro, continuarem sonhando com medalhas olímpicas no futuro. É o caso de Lidiane Franciele, de 17 anos, uma das primeiras adolescentes que usaram a pista, aberta há três anos. "Aqui, temos toda a infraestrutura de que necessitamos", diz ao lado dos atletas Juliana Cristina e Josué Botelho da Silva, ambos de 17 anos, e Jefferson de Sousa, de 16.

Denis Medeiros/Encontro
Henrique Márcio, professor de educação física e alunos do Mackenzie: "É uma das melhores piscinas da América Latina", diz ele (foto: Denis Medeiros/Encontro)
O treinador Leszek chegou a Minas Gerais há 30 anos, com a missão de preparar a sete-lagoana Esmeralda de Jesus, uma das principais velocistas e saltadoras da história do país. Ao coordenar o atletismo do CTE, ele busca, além de descobrir e formar novas Esmeraldas, criar uma cultura do esporte especializado na cidade. "Esperamos que haja maior valorização do nosso atletismo. Não é apenas futebol que temos por aqui", diz.
 
No Parque Aquático, inaugurado em dezembro e cujas raias já receberam atletas como Joanna Maranhão, do Esporte Clube Pinheiros, de São Paulo (SP), e Ítalo Manzine, nadador minas-tenista, a expectativa é grande com a chegada dos britânicos. "Muitas delegações entraram em contato interessadas em treinar aqui, como Bélgica, Japão, Espanha e Alemanha", diz Luciano Sales Prado, coordenador do Parque Aquático. Mas os britânicos saíram na frente e pediram exclusividade.
 
Denis Medeiros/Encontro
Leszek Szmuchrowshi, coordenador de atletismo: "Esperamos que haja maior valorização do nosso atletismo" (foto: Denis Medeiros/Encontro)
Atualmente, a piscina, com bordas móveis, está sendo usada por clubes como Minas Tênis Clube, Mackenzie, Olímpico (BH) e o Praia, de Uberlândia. "Os clubes utilizam a piscina e todo nosso suporte científico", diz Luciano. Henrique Márcio, professor de natação do Mackenzie, considera a estrutura incomparável. "É uma das melhores piscinas da América Latina", diz o treinador responsável pelas categorias infantil, juvenil e júnior do clube.
 
Além do parque aquático e da pista de atletismo, um pavilhão esportivo será construído. Inicialmente estimado em 26 milhões de reais, o projeto está sendo revisado, a fim de reduzir custos.  De acordo com Pablo Grecco, diretor do CTE, será construída também uma área para a modalidade de lançamento de martelo. "Agora, sim, temos um centro de excelência no esporte", diz. Agora, a torcida é para que toda essa estrutura se traduza em medalhas olímpicas para o Brasil, num futuro próximo!

Últimas notícias

Comentários