Publicidade

Estado de Minas MINEIROS DO ANO 2017 | DANIEL NEPOMUCENO

De olho na casa própria

Ex-presidente do Atlético comemora ano em que clube deu um importante passo para concretizar o sonho de ter seu estádio


postado em 03/01/2018 15:04 / atualizado em 03/01/2018 15:51

Quis o destino que Daniel Nepomuceno, aos 39 anos, estivesse sentado na cadeira de presidente do Atlético em um momento emblemático para o clube: no ano em que o tão desejado estádio alvinegro começou a virar realidade. A previsão é de que o novo terreiro do Galo, já batizado de Arena MRV, comece a ser construído em 2018 no bairro Califórnia, região Noroeste de Belo Horizonte. As máquinas vão começar a operar no local assim que a Câmara Municipal aprovar o projeto. Sim, falta apenas isso. O dinheiro e o terreno já estão garantidos. Daniel, que decidiu não concorrer à reeleição, foi o grande responsável por fazer do sonho realidade. Ele aglutinou os interesses e as pessoas certas em torno do projeto. E o resultado deve vir em 2020, quando a Arena do Galo escancarar seus portões.

A maneira como o estádio está sendo viabilizado é um capítulo à parte. Além de doar o terreno, a construtora MRV, de Rubens Menin, vai explorar comercialmente o nome do estádio, os chamados naming rights, daí o "Arena MRV". O banco BMG, de Ricardo Guimarães, ex-presidente do Galo, entrou com a garantia de compra de 60% das cadeiras cativas. O grande pulo do gato foi conseguir fechar ainda a venda de 50,1% do DiamondMall à Multiplan. Resultado: 410 milhões de reais garantidos para erguer a nova casa. "Nossa sorte foi ter gente apaixonada e competente com condições de alavancar um sonho como esse", afirma Daniel, que também é advogado e cientista político.

Mesmo assim, não foi fácil. "As negociações foram duras. Não foi algo da noite para o dia", diz ele sobre as transações com a Multiplan, que culminariam em mais da metade do valor necessário para a empreitada. "Sabíamos que não daria certo se não vendêssemos ao menos uma parte do DiamondMall", afirma o ex-mandatário do clube.  "Contudo, ao mesmo tempo, queríamos manter parte do patrimônio com o clube." Assim, a venda de metade do mall foi fechada por 250 milhões de reais.

Desde que as conversas em torno do estádio voltaram de maneira intensa nos bastidores do clube, Daniel Nepomuceno se mostrou como um dos principais entusiastas da ideia. Não cessou de trabalhar até que o projeto avançasse. Coube a ele, também, a função de convencer os cerca de 400 conselheiros do clube de que a ideia não era um devaneio. Conseguiu. Na reunião do Conselho Deliberativo, no dia 18 de setembro de 2017, foram registrados 325 votos a favor e apenas 12 contrários. Festa na sede de Lourdes. A torcida alvinegra acompanhou a votação e já mostrava ser favorável ao estádio bem antes de bater o martelo. A hashtag "#arenaMRVsim" chegou a liderar os trend topics do Twitter. Daniel não estava sozinho.

Agora, torcedores já sonham acordados com a nova e moderna arena multiuso, desenhada pelo arquiteto Bernardo Farkasvölgyi, também atleticano e um dos conselheiros do clube. A fachada será inspirada no Mineirão dos anos 1970, quando a torcida do Galo esticava faixas brancas e pretas no anel superior do estádio. No entorno, haverá uma esplanada que será ocupada por diversos eventos em dias ou não de futebol.

Daniel comandará a empresa responsável pelas obras da nova arena. "Quero entregar o estádio pronto." Ao se despedir da presidência do Galo, a sensação é de dever cumprido. "Foi o primeiro e único mandato, porém, muito positivo", diz. O destino quis, mas Daniel deu um baita de um empurrão

  • Daniel Nepomuceno, 39 anos
  • Nasceu em Belo Horizonte Casado, 2 filhos
  • Formado em direito pelo Centro Universitário Newton Paiva e pós-graduado em ciências políticas pela Universidade de Barcelona
  • Ex-presidente do Atlético e secretário municipal de Desenvolvimento

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade