Publicidade

Estado de Minas DéCOR LUXO | ESTILO

Tons fortes e vibrantes são tendência na arquitetura em 2018

Cores deste tipo vão bem tanto em paredes quanto em objetos e móveis de decoração. E são a aposta de profissionais da área


postado em 24/04/2018 16:12

Apartamento de 60 m2 decorado por Angélica Pampolini: formas geométricas dão sensação de amplitude(foto: Ronaldo Dolabella/Encontro)
Apartamento de 60 m2 decorado por Angélica Pampolini: formas geométricas dão sensação de amplitude (foto: Ronaldo Dolabella/Encontro)
Todo início de ano é assim: profissionais de arquitetura e design fazem suas apostas para as tendências dos meses seguintes. Em 2017, os tons neutros e as cores pastéis dominaram, mantendo o padrão das produções minimalistas e luxuosas dos anos anteriores. Mas 2018 prometeu e cumpriu com o papel de fugir desses padrões. A cor do ano eleita pela Pantone - empresa americana conhecida por seu sistema numérico de escala de cores - foi o Ultra Violeta, um tom de roxo forte que remeteria "ao mistério".

Alguns designers já estão apostando nessa nova tendência em seus projetos. É o caso da arquiteta Angélica Pampolini. Para ela, as cores dão vida e transmitem sensações. Em espaços menores, nos quais as cores não seriam muito indicadas, ela usa formas geométricas, alto-relevo e texturas. "Tudo isso permite essas mesmas experiências sensoriais, ainda mais se associados a cores que evidenciem essas sensações", diz. Angélica usa cores também em ambientes externos. "O ideal é evitar as tonalidades claras, pois sujam com muita facilidade", explica.

Residência decorada pela arquiteta Isabela Bethônico: sem medo de ousar(foto: Henrique Queiroga/Divulgação)
Residência decorada pela arquiteta Isabela Bethônico: sem medo de ousar (foto: Henrique Queiroga/Divulgação)
Conhecer bem o cliente é essencial. Para a arquiteta Isabela Bethônico, "a utilização de cores depende de um briefing de qualidade". Com mais de 10 anos de mercado, ela diz que é frequente deparar com clientes que têm receio de ousar. "As pessoas têm muito medo de errar, e por isso acabam ficando sempre no tradicional." Ela garante que só a relação de confiança entre arquiteto e cliente pode romper essa barreira. "O cliente fica mais tranquilo quando vê que nossas escolhas foram pensadas exclusivamente para ele e feitas com embasamento teórico e técnico", diz Isabela.

Há quem diga que parcimônia é palavra certa quando se trata da utilização de cores na decoração. A harmonia e quantidade de tons definem o conceito que cada projeto quer ter. Assim, quanto mais pastéis os tons, mais neutras as sensações; quanto mais colorido, mais eufóricas. "O problema é que hoje as pessoas pensam que pintar uma parede de cor vibrante faz todo o trabalho de uma decoração pensada, e não é", diz a arquiteta Ângela Roldão. "Às vezes, euforia demais atrapalha o dia a dia, principalmente de quem já tem uma rotina atribulada." Para pensar cada ambiente é preciso levar em consideração o tamanho do local, luminosidade, estilo do projeto e até as posições de incidência do sol durante o dia. "Alegria e comodidade são a base de todo projeto, seja ele residencial ou comercial. E só as cores conseguem transmitir isso."

Espaço da Situar, eleito o melhor projeto de Arquitetura de Interiores da CasaCor MG 2017: cores neutras como base da decoração e móveis coloridos(foto: Jomar Bragança/Divulgação)
Espaço da Situar, eleito o melhor projeto de Arquitetura de Interiores da CasaCor MG 2017: cores neutras como base da decoração e móveis coloridos (foto: Jomar Bragança/Divulgação)
Para quem quer ter essa sensação de vivacidade, mas foge de obras, a dica é apostar em objetos, cortinas, móveis e artigos bem coloridos. A arquiteta e engenheira civil Júnia Bernanos, que desde 2015 é sócia-proprietária da Situar Projetos, ao lado do arquiteto Eduardo Henrique Brandão e da designer de interiores Rosângela Brandão Mesquita, esclarece que "é importante que os tons das paredes, teto, pisos, tecidos, móveis, quadros estejam em harmonia entre si". Ela diz que as cores fortes ou mais escuras transmitem a impressão de que o ambiente é menor, e o ideal é utilizá-las nos ambientes maiores, como as salas. "No entanto, em espaços pequenos, uma única parede pintada em tom mais forte pode criar uma sensação de profundidade e fazer com que o cômodo pareça maior." Dessa forma é importante pensar em como equilibrar todos esses elementos. Sobrecarregadas, as cores podem "poluir" o ambiente. A falta pode dar uma sensação de vazio. "Não determinamos o limite de cores ou tons a serem utilizados. Mas costumamos definir cores neutras como base da decoração de um projeto e trabalhar com o contraste de cores de forma mais pontual, nos móveis menores e nos objetos", diz. Como se vê nas fotos que ilustram esta reportagem, usar e abusar das cores é uma maneira de ganhar um novo lar sem sair de casa.

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade