Publicidade

Estado de Minas PET

Saiba quais cuidados tomar com cães e gatos durante o verão

Tutores devem ficar atentos para garantir a saúde e o bem-estar dos animais de estimação na estação mais quente do ano


postado em 14/01/2020 15:23 / atualizado em 15/01/2020 13:38

A gestora comercial Géssica Mattos de Souza acorda cedo para levar as cadelinhas Chanel (lhasa apso), Linda (shint zu) e Lolla (lulu da Pomerânia) para passear.
A gestora comercial Géssica Mattos de Souza acorda cedo para levar as cadelinhas Chanel (lhasa apso), Linda (shint zu) e Lolla (lulu da Pomerânia) para passear. "Evito sempre os horários em que o sol está mais quente para não prejudicá-las", diz (foto: Violeta Andrada/Encontro)
O dia mal clareou e às 5h30 da manhã a gestora comercial Géssica Mattos de Souza, de 30 anos, está de pé. Os tão desejados minutos a mais de sono ela deixa para quem não tem pets. Ou melhor, filhas peludas que acordam ansiosas para levar a mamãe para passear. A rotina de atividades começa logo cedo e tem justificativa de ser. Nesse horário, as cadelinhas não correm o risco de queimar as almofadinhas das patas no piso quente e nem sofrer com o calor. De raças peludas e braquicefálicas (de focinhos achatados), a lhasa apso, Chanel, de 3 anos, a shint zu, Linda, de 6 meses, e a lulu da Pomerânia, Lolla, também de 6 meses, fazem parte do grupo que mais sofre com a chegada do verão. Juntam-se a elas animais doentes, obesos e idosos.

A estação mais quente do ano, que vai até 20 de março, exige cuidados redobrados com os animais de estimação. Sintomas como cansaço, excesso de salivação, constante língua de fora, respiração ofegante e aumento dos batimentos cardíacos indicam problemas. Se a temperatura corporal chegar aos 42 graus é indício de hipertermia, doença com alto índice de morte. "Quando isso ocorre, os animais podem sofrer coagulação intravascular, parada cardíaca e edema pulmonar. Patologias muito graves", explica a veterinária Mayumi Mano, da clínica Patativas. Ao contrário dos humanos, que transpiram por todo o corpo quando estão com calor, a transpiração dos pets se concentra apenas na língua, focinho e coxins (almofadinhas das patas), o que potencializa os riscos, mesmo em animais saudáveis. Por isso, a dica é apostar na prevenção. Passeios, só em horários restritos, antes das 9h da manhã e após as 18h, e de preferência protegidos com protetor solar, especialmente os animais de pelo claro.

O empresário Gustavo Jabrazi (na foto, com Tatá) decidiu ele mesmo desenvolver os bebedouros para incentivar o consumo de água de seus cinco gatos:
O empresário Gustavo Jabrazi (na foto, com Tatá) decidiu ele mesmo desenvolver os bebedouros para incentivar o consumo de água de seus cinco gatos: "A convivência com eles me fez perceber o quanto são diferenciados" (foto: Alexandre Rezende/Encontro)
O verão tem como efeito colateral o aumento dos problemas respiratórios, especialmente nas raças braquicefálicas. "Naturalmente, elas têm mais dificuldades para respirar. Por isso, todo cuidado é pouco", diz Géssica. Em sua casa, as cadelinhas têm a vantagem de poder refrescar-se no piso de porcelanato. Quem não conta com piso frio, pode optar por comprar tapetes em gel para manter a temperatura equilibrada. Outra dica é congelar água em garrafas pets e colocar próximo ao animal, além de utilizar umidificadores para aumentar a umidade do ar. Para evitar o choque térmico, banhos frios de chuveiro, mangueira ou piscina, só devem ser dados depois que os pets estiverem com a temperatura corporal reduzida.

Já os felinos adoram água corrente e ter fontes espalhadas pela casa é uma boa pedida. Com grande tendência a doenças renais, precisam consumir maior quantidade de líquido. O empresário Gustavo Jabrazi, de 46 anos, foi além. Ele mesmo desenvolveu bebedouros para incentivar o consumo de água de seus cinco gatos. "A convivência com eles me fez perceber o quanto são diferenciados e possuem necessidades específicas", diz. Buscando melhorar a qualidade de vida de seus animais, acabou criando a I Love Cats, marca mineira especializada em bichanos. Os vira-latas Pacoça, de 8 anos, Anita, 6, Pantera, 4, Tatá, 3, e Misty, 2, agradecem a dedicação do dono.

Proteja o seu pet neste verão

  • Passeios devem ser feitos antes das 9h e depois das 18h

  • Observe sempre o ritmo da respiração do seu animal. Se estiver muito ofegante é sinal de que precisa de descanso, além de água e sombra para se refrescar

  • Evite passear em locais em que o piso é muito quente, como o asfalto. Queimaduras nos coxins das patinhas são dolorosas e difíceis de cicatrizar

  • Jamais deixe seu animal em lugar pouco ventilado e com incidência de sol, especialmente veículos fechados

  • Utilize filtro solar específico para os pets nas orelhas e focinho. Quanto mais claro o animal, mais alto é o risco de queimadura e câncer de pele

  • Mantenha sempre a higiene do bicho, com banho e tosa periódicos. Evite a proliferação de pulgas e carrapatos

  • Mantenha o animal sempre com o corpo seco, sem umidade, para evitar a proliferação de fungos e bactérias

  • Disponibilize sempre água fresca em abundância

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade