Publicidade

Estado de Minas MEIO-AMBIENTE

Parque Ecológico da Pampulha abriga mais de 150 espécies de aves

Fundação Zoo-Botânica de Belo Horizonte monitora a fauna desse espaço verde, e 80 espécies de aves vivem no parque


postado em 19/10/2015 12:26 / atualizado em 19/10/2015 14:41

O Parque Ecológico da Pampulha registrou neste ano 35 novas espécies de aves. No total, já foram catalogadas mais de 150 espécies nessa importante área verde de Belo Horizonte, comprovando que o parque oferece um ambiente ideal para elas, com abrigo, alimentação e locais apropriados para a criação de filhotes. "Sempre que vai ser realizado algum plantio no parque damos prioridade a espécies nativas que irão atrair a fauna como um todo, especialmente na parte da alimentação", afirma Marcela Lanza Bernardes, bióloga do parque.

Desde 2004, a Fundação Zoo-Botânica de Belo Horizonte realiza o monitoramento de fauna do parque ecológico para identificar as espécies frequentadoras e auxiliar na preservação e na conservação de seus habitats. Por meio do monitoramento, foi percebido que o grupo mais expressivo de animais presentes é o das aves, sendo que mais de 50% das espécies deste grupo são residentes e prováveis residentes. "O monitoramento da fauna que realizamos anualmente e o grande número de espécies registradas, principalmente o de aves, mostra a importância desse espaço dentro da cidade para a manutenção da biodiversidade da fauna urbana", ressalta Marcela.

Das espécies de aves registradas no último ano, 80 habitam o parque, como, por exemplo, quero-quero, bico-de-lacre, coruja-buraqueira, pica-pau-do-campo e sanhaçu-cinzento, que, somadas às migratórias, como maçarico-solitário e maçarico-grande-de-perna-amarela, que se reproduzem na América do Norte e migram durante o inverno para a o sul.

Além das aves, são encontrados na área do Parque Ecológico da Pampulha anfíbios, répteis, mamíferos, insetos e moluscos. Até o momento, foi registrada a presença de 11 espécies de anfíbios, entre sapos, rãs e pererecas; 12 de répteis, como jacaré-do-papo-amarelo, tigre-d’água e jararaca-de-jardim; 13 de mamíferos, como capivara, furão, gambá-de-orelha-branca, mico-estrela e esquilo, além dos recém-registrados morcego-de-cauda-livre e paca.

(com Ascom da PBH)

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade