Publicidade

Estado de Minas COMPORTAMENTO

Até que ponto um selinho entre pais e filhos pode ser perigoso?

Depois da polêmica com a estilista Victoria Beckham, especialista comenta esse ato de amor e seus possíveis riscos para a criança


postado em 22/07/2016 14:19

O selinho entre pais e filhos é uma prática comum em algumas famílias, como forma de expressar afetividade. Adepta a este hábito, a ex-Spice Girls Victoria Beckham beijou sua filha mais nova, Harper, de 5 anos, na boca e publicou a foto desse momento no Instagram. Talvez ela não esperasse, mas a publicação foi alvo de inúmeras críticas dos internautas, que consideraram o ato desrespeitoso. Claro que também houve quem apoiasse a atitude da estilista inglesa. A polêmica acabou gerando uma dúvida: até que ponto o selinho em crianças é considerado seguro?

Segundo a pediatra Maria do Carmo Barros de Melo, presidente da Sociedade Mineira de Pediatria, é preciso respeitar esse hábito cultural, mas os pais devem ser orientados sob o ponto de vista médico. "Existe o risco de transmitir algumas doenças. O ideal é que o beijo seja dado na pele, porque a mucosa é mais suscetível a lesões, facilitando, assim, a entrada de vírus e bactérias", explica a especialista. Coqueluche, meningite e herpes são algumas doenças que podem ser transmitidas pelo simples beijo do tipo selinho.

Quem também é adepta da prática do selinho nos filhos é a cantora baiana Claudia Leitte. Na foto ela está beijando seu caçula Rafael(foto: Divulgação/Revistaquem.globo.com/Reprodução)
Quem também é adepta da prática do selinho nos filhos é a cantora baiana Claudia Leitte. Na foto ela está beijando seu caçula Rafael (foto: Divulgação/Revistaquem.globo.com/Reprodução)

Em relação à herpes, para que seja transmitida para a criança, é necessário que o pai ou a mãe estejam com alguma lesão na boca. Nesta condição, não se deve beijar nem mesmo a pele do filho, orienta a pediatra. "Existe uma recomendação para quem adota o hábito do selinho: se estiver com algum machucado na mucosa oral ou no lábio, não se deve beijar a criança, mesmo que não seja na boca", diz Maria do Carmo.

Algumas vertentes criticam tal conduta por considerá-la um estímulo à "sexualização" precoce da criança. A pediatra Maria do Carmo prefere adotar um tom mais cauteloso. Segundo ela, o selinho, em si, não desperta, necessariamente a sexualidade no filho. "Depende muito de cada situação. Se o beijinho é consentido, acontece de forma natural, não vejo problema", comenta.

Outras celebridades também já expuseram o momento de selinho com o filho, como é o caso da apresentadora Adriane Galisteu, do ator e apresentador Rodrigo Hilbert e da cantora baiana Claudia Leitte.

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade