Robôs como parceiros sexuais?

Especialistas discutem o futuro das relações entre humanos e máquinas

por Encontro Digital 08/09/2016 14:28

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
(foto: Pixabay)
Será que, um dia, teremos romances entre humanos e robôs? Quem sabe até casamentos com máquinas? Estas e outras questões estão sendo discutidas numa conferência sobre robótica sexual e sexualidade de robôs na cidade de Salford, na Inglaterra.

O evento internacional, que conta com especialistas de vários países, é intitulado Tecnologia ou Intimidade: Escolha ou Coerção, segundo informação do jornal inglês The Mirror.

Um dos palesrantes, o professor David Kreps da Universidade de Salford, conta que a conferência visa mostrar como a tecnologia é capaz de expressar intimidade e sexualidade. Um dos temas abordados no âmbito do evento é questão sobre a possibilidade de a pessoa namorar ou até se casar com um robô. Será que, no futuro, tais relações vão representar perigo à humanidade?

Segundo o professor Charles Ess, da Universidade de Oslo, na Noruega, que discursou na abertura da conferência, dia 4 de setembro, a realidade é muito diferente das obras de ficção científica, onde é firmada a ideia de que "o amor acontece somente entre duas pessoas e não importa quão inteligente seja o ser humano, ele nunca terá contato visual completo com um robô, algo fundamental em relações interpessoais".

Em entrevista à agência Sputnik, a terapeuta sexual britânica Kate Moyle revela que a ideia de praticar sexo com um robô pode ajudar as pessoas que "receiam intimidade ou têm medo de serem rejeitadas". Porém, segundo ela, uma relação sexual eventual com máquina poderá ter impacto negativo sobre as relações inter-humanas.

Já para o professor David Kreps, os "robôs sexuais são apenas outra prova de como a tecnologia está progredindo, em prol do nosso prazer".

O pesquisador inglês ressalta que o fato de o conteúdo pornográfico, hoje, estar disponível em nível global, como nas redes sociais e sites gratuitos, há um incentivo à criação de novas formas de expressão sexual.

(com Agência Sputnik)

Últimas notícias

Comentários