Em protesto contra a homofobia, jovem usa vestido e salto alto em formatura no ITA

A instituição de ensino é ligada à Aeronáutica e, segundo Talles Oliveira Faria, discrimina alunos homossexuais

por João Paulo Martins 23/12/2016 18:04

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.


Facebook/Reprodução
Talles Oliveira Faria, durante sua formatura em Engenharia da Computação no ITA, decidiu protestar contra a homofobia que diz existir na instituição e foi para a solenidade usando vestido, salto alto e maquiagem (foto: Facebook/Reprodução)
Um vídeo feito na cerimônia de formatura dos estudantes do Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA), no dia 17 de dezembro, está chamando a atenção na internet. Isso porque um dos alunos decidiu protestar de forma inusitada. Quando foi anunciado para receber o diploma, o jovem tirou a beca e chocou os militares presentes ao usar vestido, salto alto e maquiagem. O protesto, segundo o estudante, era contra a homofobia que teria sofrido durante o curso no ITA.

Talles Oliveira Faria, de 24 anos, que acaba de concluir o curso de Engenharia da Computação, em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, explica que foi vítima de vários processos de "transgressão disciplinar" supostamente ocorridos durante sua graduação. Homossexual assumido, Talles conta que resolveu se formar no ITA por saber que é uma das instituições de ensino de maior credibilidade no Brasil, apesar de ser, em sua opinião, homofóbica. "Eu não conhecia nenhum regulamento da Aeronáutica, e não precisava, para saber que era um ambiente homofóbico. Desde pequeno as pessoas nos ensinam que ser LGBT [gay] é vergonhoso e que levamos muito tempo para superar essas feridas", diz o jovem carioca em texto publicado no Facebook, no dia 20 de dezembro.

Para ele, o uso de vestido, salto alto e maquiagem durante a formatura foi uma forma que encontrou para "escancarar" a discriminação que teria sofrido dentro da instituição militar de ensino. Aliás, a roupa que usou na cerimônia trazia algumas palavras fortes contra o ITA, incluindo "machismo", "elitismo", "homofobia" e "racismo".

Mesmo sabendo das rígidas normas de conduta do instituto gerido pelo Comando da Aeronáutica, Talles Oliveira conta que decidiu não continuar escondendo sua orientação sexual – ele fez o ensino médio em colégio militar e nunca revelou que era gay. "Cheguei no ITA e decidi que para mim bastava. Aceitem-me como sou. Sejam expostos pelo que vocês são. Não me aceitaram, me violentaram, riram de mim, tentaram me tornar invisível. Que a exposição os mudem porque eu vou continuar me amando e me fazendo muito presente mundo afora", comenta o engenheiro na rede social.

Para não ser expulso do ITA e perder a chance de se formar, Talles Oliveira, que ingressou no instituto como estudante militar, decidiu abandonar a carreira na Aeronáutica. O jovem lembra que se continuasse como militar, a instituição poderia usar o Regulamento Disciplinar da Aeronáutica contra ele, já que, por serem normas antigas e rígidas, vária delas teriam sido transgredidas por Talles. Um exemplo se deu em 17 de maio deste ano, quando o aluno da Engenharia da Computação se vestiu de drag queen para celebrar o Dia Mundial de Combate à Homofobia.

"Estou farto dessa hipocrisia, dessa violência, dessa gente de bem que deita na cama e não tem consciência do ódio que propaga e das vidas que destrói. Estou farto das piadas, estou farto da invisibilidade, da violência, de tudo", desabafa Talles OLiveira Faria em sua conta no Facebook.

Confira, abaixo, o vídeo com o momento em que o jovem choca os militares presentes na formatura do ITA:

Últimas notícias

Comentários