Conhece o canal do YouTube que testa drogas?

O Drugslab é holandês e diz que ajuda a conscientizar os jovens sobre os riscos e o uso 'correto' das drogas

por João Paulo Martins 01/02/2017 12:35

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
YouTube/Drugslab/Reprodução
Os holandeses Bastiaan Rosman, Nellie Benner e Rens Polman apresentam o polêmico canal Drugslab, no YouTube, que mostra as experiências deles após o consumo de drogas (foto: YouTube/Drugslab/Reprodução)
De acordo com relatório divulgado em 2016 pela Organização das Nações Unidas (ONU), 250 milhões de pessoas – cerca de 5% da população mundial entre 15 e 64 anos – usaram drogas ao menos uma vez em 2014. O problema é que o consumo abusivo de narcóticos levou 207 mil pessoas à morte no mundo em 2013, segundo a própria ONU. A organização diz, ainda, que, "de forma geral, o impacto do uso de drogas para a saúde continua a ser devastador". Pensando numa forma de "educar" as pessoas, especialmente os jovens, sobre os efeitos e o uso "correto" de substâncias psicotrópicas, a emissora holandesa BNN criou o canal Drugslab no YouTube. Claro que os vídeos que mostram os efeitos de diferentes drogas estão causando polêmica na internet.

Com mais de 316 mil seguidores e quase 10 milhões de visualizações, o canal Drugslab, criado há quatro meses, é formado pelo cantor Rens Polman, de 25 anos, o estudante universitário Bastiaan Rosman, de 23, e a atriz Nellie Benner, de 30. Todas as sextas-feiras eles experimentam uma droga diferente, cujos efeitos e sensações são descritos e exibidos em frente à câmera. No dia 23 de dezembro de 2016, por exemplo, Nellie experimentou cocaína. Neste caso, o YouTube classificou o vídeo como conteúdo inapropriado para algumas pessoas, exigindo a aceitação do termo de "risco" para se assistir.

"Não havia na internet um programa que desse essas informações de forma precisa para os jovens. Não há um jeito melhor de fazer isso do que usá-las em frente à câmera", diz Jelle Klumpenaar, criador e produtor do Drugslab, em entrevista à agência de notícias britânica BBC Brasil. Ele explica que o Drugslab tem como objetivo prestar um "serviço e reduzir os danos gerados pelo uso dessas substâncias". "Educar jovens sobre drogas é uma boa forma de evitar acidentes. E eles preferem pessoas reais contando histórias reais em vez de apresentadores lendo roteiros", completa o produtor holandês.

No episódio de estreia do Drugslab, Rens Polman experimenta um comprimido de ecstasy, uma das drogas mais populares em festas de música eletrônica em todo o mundo. Antes de consumir a substância, que é da família das anfetaminas, o cantor lembra que, na Holanda, é possível testar a veracidade da substância para evitar a ingestão de produtos falsos. Depois de engolir o comprimido rosa, Rens passa a relatar as sensações geradas pelo ecstasy. Calor, boca resseca, mãos frias e suadas e sensibilidade aguçada são algumas delas. Enquanto o vídeo exibe a experiência psicotrópica do jovem holandês, mensagens educativas, relacionadas ao uso da droga e os devidos riscos, surgem na tela.

Vale lembrar que, na Holanda, o consumo de maconha e outras substâncias mais "leves", como cogumelos alucinógenos, faz parte da política nacional sobre drogas e é permitido há 40 anos. Porém, os narcóticos mais pesados, como cocaína e morfina, por exemplo, não são legalizados. Questionado pela BBC Brasil sobre a origem das drogas ilícitas testadas no Drugslab, o produtor Jelle Klumpenaar disse apenas que "prefere não revelar as fontes".

Assista, abaixo, a uma retrospectiva que Rens Polman, Bastiaan Rosman e Nellie Benner fizeram sobre os primeiros episódios do polêmico canal no YouTube (possui legendas apenas em inglês):

Últimas notícias

Comentários