Publicidade

Estado de Minas SAúDE

Testes em humanos mostram ineficácia da 'pílula do câncer'

Médicos do Instituto do Câncer de São Paulo não tiveram resultado positivo com a fosfoetanolamina


postado em 31/03/2017 17:52

O Instituto do Câncer de São Paulo (Icesp) anunciou nesta sexta-feira, dia 31 de março, que vai cancelar uma nova inclusão de pacientes para os testes clínicos com a substância fosfoetanolamina, mais conhecida como a "pílula do câncer", por causa de sua ineficácia.

A pesquisa já tinha passado por uma primeira fase que mostrou que o medicamento não tinha efeitos colaterais. Na segunda fase, os pesquisadores estavam avaliando a eficácia da pílula.

A substância foi testada em 72 pacientes do Instituto do Câncer de São Paulo, em 10 grupos diferentes de tumores, que já tinham passado por outros tratamentos, sem resultado. Deste total, 59 pacientes foram reavaliados, e 58 não apresentaram melhora na doença na visão dos médicos. Somente um paciente, que possui melanoma (câncer de pele), apresentou alguma resposta ao tratamento com a fosfoetanolamina, reduzindo os tumores em mais de 30%, o mínimo exigido conforme os índices estabelecidos pela pesquisa.

De acordo com o oncologista Paulo Hoff, diretor do Icesp, os resultados dos testes não comprovam benefício clínico significativo para comprovar a eficácia do medicamento. Segundo o médico, para que o remédio fosse considerado eficaz, a fosfoetanolamina teria que reduzir os tumores em mais de 30%, em pelo menos 20% dos pacientes.

"Uma resposta em 59 avaliações pode acontecer por diversas razões, inclusive existem relatos de regressões espontâneas em pacientes, o efeito placebo", diz o médico.

Paulo Hoff explica que, diante dos resultados negativos, não é ético continuar incluindo novos pacientes no estudo – seriam adicionados cerca de mil novos. "Neste momento, acho que não há justificativa para se usar rotineiramente esse produto como tratamento de câncer, até que se surjam outras informações. Baseado nestas informações, não há essa justificativa", completa o oncologista.

Por mais de 20 anos a fosfoetanolamina sintética foi desenvolvida pelo Instituto de Química da USP, na cidade de São Carlos, por uma equipe coordenada pelo professor aposentado Gilberto Chierice. A substância chegou a ser distribuída gratuitamente para pessoas interessadas, mas, por determinação da própria USP, a distribuição foi suspensa, o que fez com que muitos usuários recorressem à justiça para conseguir o acesso ao medicamento.

Uma lei chegou a ser aprovada pelo Congresso Nacional, permitindo a comercialização e o uso da substância mesmo sem registro da Anvisa. A lei chegou a ser sancionada pela ex-presidenta Dilma Rousseff em abril de 2016, mas, em maio do mesmo ano, o Supremo Tribunal Federal (STF) a suspendeu.

(com Agência Sputnik)

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade