Publicidade

Estado de Minas COMPORTAMENTO

Por que temos a sensação de que o tempo está passando mais rápido?

Especialistas esclarecem esse senso comum de que o ano está 'voando'


postado em 07/06/2017 10:53

Você também tem a sensação de que o tempo está passando mais rápido? As 24 horas do dia já não são suficientes para cumprir todas as tarefas? Daqui a pouco, as músicas natalinas começarão a tocar e, de repente, já estaremos estourando a champanhe para celebrar a chegada de 2018,  ano de Copa do Mundo e de eleições presidenciais.

Parece que o 7 a 1 da Alemanha contra a Seleção Brasileira foi ontem, mas, o evento esportivo da Fifa, realizado no Brasil, já vai completar quatro anos. Seria só uma impressão ou os nossos dias estão, realmente, mais "acelerados"?

Acalme-se! Um ano continua tendo 365 dias, um dia continua tendo 24 horas e uma hora ainda equivale a 60 minutos. A sensação generalizada de que o tempo estaria "voando" não passa de um fator psicológico. Quem confirma é o professor Roberto Dias da Costa, do departamento de Astronomia da USP. "O dia é o tempo em que a Terra leva para dar uma volta em torno de si mesma, e o ano é o tempo em que a Terra leva para dar uma volta em torno do Sol. Esses períodos não mudam. Não existem variações físicas na passagem do tempo", esclarece o especialista em entrevista à Rádio USP.

No entanto, esse senso comum de que o tempo estaria "acelerado" tem sentido, segundo o professor Ronald Ranvaud, do Instituto de Psicologia da USP. Ele diz que existem duas teorias que explicam essa percepção. A primeira é que em situações prazerosas o tempo parece passar mais rápido, da mesma forma que em atividades aversivas, o relógio parece ficar estagnado.

A segunda teoria diz respeito mais ao campo da lógica. "Parece que o tempo está passando muito mais rápido agora que tenho 71 anos do que quando eu tinha 6, 7 e até 20 anos. A impressão do tempo depende muito da proporção. Quando você tem 10 anos, um ano representa 10% de sua vida. Quando você tem 50 anos, um ano representa 2%", exemplifica o professor, também em entrevista à Rádio USP.

(com Rádio USP)

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade