Presidiárias grávidas têm tratamento desigual, diz estudo da Fiocruz

As presas reclamam de violência e de menor cuidado com o pré-natal

por Encontro Digital 05/06/2017 16:35

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Tânia Rêgo/Agência Brasil/Divulgação
Segundo pesquisa feita pela Fiocruz, detentas grávidas não têm o mesmo tratamento das demais gestantes (foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil/Divulgação)
Uma em cada três mulheres grávidas em presídios do Brasil foram obrigadas a usar algemas na internação para o trabalho de parto, e mais da metade teve menos consultas de pré-natal do que o recomendado. Os dados fazem parte de um estudo da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) sobre o perfil das presidiárias que vivem com os filhos em unidades prisionais femininas no país.

O acesso à assistência pré-natal foi inadequado para 36% das mães. Durante o período de hospitalização, 15% afirmaram ter sofrido algum tipo de violência, seja verbal, psicológica ou física. Ainda segundo a pesquisa, 32% das grávidas presas não fizeram teste de sífilis e 4,6% das crianças nasceram com a forma congênita da doença.

De acordo com Maria do Carmo Leal, uma das coordenadoras da pesquisa e integrante da Escola Nacional de Saúde Pública da Fiocruz, as condições da atenção à gestação e ao parto para a mães encarceradas no Sistema Único de Saúde (SUS) são piores que as dadas às mães que não estão presas. "O estudo mostrou também que havia diferença na avaliação da atenção recebida durante a internação para o parto segundo a condição social delas. Foi menor a satisfação para as pobres e as de cor de pele preta ou parda", revela a pesqusiadora.

O estudo da Fiocruz deu origem ao documentário Nascer nas Prisões, dirigido por Bia Fioretti, que ainda será lançado. No filme, mães encarceradas contam que seu maior medo é que os bebês sejam mandados para um abrigo, já que na maioria dos presídios, a criança só pode permanecer até completar 1 ano.

Na maioria dos estados brasileiros, a mulher grávida é transferida, no terceiro trimestre de gestação, da prisão de origem para unidades prisionais que abriguem mães com filhos, geralmente localizadas nas capitais e regiões metropolitanas. O parto é feito em hospital público, e elas voltam para a unidade prisional com o recém-nascido. Após o sexto mês, geralmente as crianças são entregues aos familiares. Na ausência destes, vão para abrigos, e a mãe retorna à prisão de origem.

Foram ouvidas 241 mães, sendo que 45% delas têm menos de 25 anos, 57% são de cor parda e 53% têm menos de oito anos de estudo.

(com Agência Brasil)

Últimas notícias

Comentários