Já ouviu falar da Síndrome de Burnout?

Também chamada de Síndrome de Exaustão, ela afeta muitos trabalhadores no Brasil

por Da redação com assessorias 11/12/2017 11:48

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pexels
(foto: Pexels)
Além da depressão, do pânico e do transtorno de ansiedade, uma outra patologia vem atingindo cada vez mais trabalhadores no Brasil e no mundo: é a Síndrome de Burnout, mais conhecida como Síndrome de Exaustão. Segundo uma pesquisa realizada pela International Stress Management Association, cerca de 30% dos mais de 100 milhões de trabalhadores brasileiros sofrem com o problema.

De acordo com advogada trabalhista Maria Inês Vasconcelos, é importante registrar que um dos sintomas mais marcantes da Síndrome de Exaustão é a despersonalização, seguida da fase de sentimento de incompetência e inadequação para o trabalho – neste momento, o trabalhador passa a duvidar de sua capacidade de realizar as mais simples tarefas, não conseguindo mais se adequar à organização, podendo até adotar uma postura cínica e insensível perante colegas de trabalho e ao próprio patrão.

A Síndrome de Burnout inclusive consta na Lei 8213, de 1991, figurando na lista de transtornos mentais e do comportamento relacionados ao trabalho, autorizando o requerimento de auxílio doença previdenciário e estabilidade provisória no emprego, desde que seja constatado que a doença guarda conexão direta com o trabalho. Segundo a especialista, neste caso, o trabalhador poderá até mesmo fazer jus a uma indenização, em caso de ação judicial.

A pressão emocional e física decorrente do trabalho também são fatores que mais contribuem para o surgimento da doença. A exaustão profissional ocorre física e psiquicamente e é bastante limitadora, trazendo impedimentos, pelo menos na fase mais aguda, para se realizar tarefas normais e se ter uma vida de qualidade. "Portadores dessa síndrome, que chegam no escritório, relatam ter perda de memória, sintoma decorrente das pressões excessivas no ambiente de trabalho", comenta Maria Inês Vasconcelos.

Últimas notícias

Comentários