Michel Temer diz que economia brasileira já saiu da recessão

Presidente celebrou o 'fim da crise' em evento na Argentina

por Encontro Digital 11/12/2017 10:30

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Marcelo Camargo/Agência Brasil)/Divulgação
(foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)/Divulgação)
Durante a cerimônia de abertura da 11ª Conferência Ministerial da Organização Mundial do Comércio (OMC), em Buenos Aires, Argentina, no domingo, dia 10 de dezembro, o presidente Michel Temer declarou que a economia do Brasil deixou a recessão para trás com a recuperação dos empregos e do crescimento industrial.

"O Brasil de hoje deixou para trás a recessão, nossa economia se recupera, cria postos de trabalho e a produção industrial tem crescido. As taxas de juros recuaram a seu menor patamar histórico, a inflação é a mais baixa de muitos anos seguidos", afirma Temer diante dos integrantes da OMC.

Em sua mensagem, o presidente disse ainda que o país está levando adiante uma "ambiciosa agenda de reformas para modernização do Brasil, o que envolve necessariamente maior e melhor inserção na economia global".

Mercosul

O presidente destacou ainda em seu discurso que o Mercosul tem resgatado sua vocação original para o livre comércio e reforçou o compromisso de manter o diálogo entre os países e fortalecer o comércio multilateral. Temer ressaltou o multilateralismo como um sistema fundamental para ampliar o comércio, os investimentos, gerar empregos e prosperidade, além de ser capaz de "conter tendências protecionistas" e trazer segurança jurídica em momentos de disputas comerciais.

"O isolamento não é solução, é ilusório pensar que o protecionismo seja o caminho sustentável para o desenvolvimento ou para o bem estar dos povos. Quando nos fechamos a nós mesmos, nos fechamos para novas tecnologias, a novas ideias e novas possibilidades. O que de fato traz desenvolvimento, o que de fato traz bem-estar é mais e mais integração", comenta Michel Temer.

O peemedebista defendeu a OMC e sua atuação na discussão de temas considerados novos como a economia digital, facilitação de investimentos, pequenas e médias empresas e também na resolução de temas antigos como comércio agrícola, que classificou como "um passivo urgente a resgatar".

A reunião ministerial da OMC ocorre a cada dois anos para definir mandatos, avaliar o funcionamento da organização, tomar decisões e eventualmente lançar rodadas de negociação entre os países. As últimas edições foram sediadas em Bali e Nairobi.

(com Agência Brasil)

Últimas notícias

Comentários