Publicidade

Estado de Minas PET

Seu pet gosta de arranhar árvores? Cuidado para ele não pegar esporotricose

O fungo afeta tanto os animais quanto os humanos e pode se espalhar facilmente por meio do contato


postado em 12/12/2017 13:21 / atualizado em 12/12/2017 13:39

Sabia que uma atitude simples dos gatos pode trazer problemas? Os pets que têm costume de arranhar troncos de árvore, para  desgastar as unhas, podem acabar sendo vítimas da esporotricose, doença que atinge tanto animais quanto humanos e causa úlceras na pele.

Provocada por fungos, as micoses afetam animais e pessoas de várias maneiras e em diferentes graus de intensidade. A esporotricose é uma delas e o fungo causador pode ser encontrado em plantas e, especialmente, em troncos de árvores. Por isso, felinos que têm o costume de arranhar esse tipo de madeira estão mais suscetíveis à doença. Em cães, a infecção é mais incomum.

Machucados na face e nos membros do pet podem ser sinais de que ele está infectado. A partir desse ponto, os tutores devem tomar uma série de cuidados específicos com o animal. É preciso usar luvas ao manipular o pet, para evitar o contato direto com as úlceras, além de ter cuidado com arranhões e mordidas. A visita urgente ao consultório de um médico veterinário também é essencial.

Segundo a médica veterinária Ana Claudia Balda, consultora do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal, o tratamento para a esporotricose é feito à base de medicamentos antifúngicos por via oral. "O tempo de cura gira em torno de três meses, sendo sempre importante o acompanhamento de um médico veterinário devido aos efeitos colaterais do remédio", comenta a especialista.

Essa micose é considerada uma epidemia pelos especialistas, sendo uma das grandes preocupações dos veterinários quando o assunto é saúde pública. Isso ocorre devido à fácil transmissão do animal para as pessoas. Um pet contaminado que não recebe o devido tratamento pode contaminar uma família inteira.

É importante ressaltar que o animal pode transmitir a enfermidade aos humanos mesmo sem estar infectado pelo fungo, pois o microrganismo fica nas unhas do pet após o contato com plantas ou solo contaminado e é difundido por meio do contato.

Descobrir a doença logo no início é essencial para impedir a propagação do fungo. Apesar da esporotricose ter cura, o tratamento é longo e pode causar efeitos colaterais.

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade