Tire dúvidas sobre o uso de sabonete íntimo

Médica esclarece algumas questões relativas ao produto destinado à região sexual feminina

por Da redação com assessorias 24/01/2018 11:17

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
(foto: Pixabay)
Normalmente considerado um aliado da saúde da mulher, sabonetes íntimos merecem atenção para não serem usados de forma inapropriada e causarem problemas. Por ser um produto específico para a região sexual feminina, ele deve ter um poder limpante suave, para remoção de restos de células, gorduras e sujeiras sem atacar o manto lipídico, que é a camada de proteção da vagina, responsável pela correta transpiração e hidratação.

Usar um sabonete íntimo com alto poder detergente põe em risco o manto lipídico e, consequentemente, deixa a pele vulnerável a infecções e a situações como desconforto, irritação e coceira. Por isso, a mulher deve observar algumas caraterísticas importantes desse tipo de produto, como a classificação de hipoalergênico e a informação de que é dermatologicamente testado.

"Os sabonetes íntimos são válidos porque possibilitam à mulher fazer uma higiene adequada na região vaginal, sem agressões. É interessante porque a água, sozinha, não retira toda a sujeira, nem a escamação de células. Água é simplesmente água, não tem esse poder de detergência", esclarece a ginecologista Patrícia de Rossi, membro da Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo. Ela completa dizendo que o produto pode ser usado diariamente.

No período menstrual, a médica salienta que o sabonete íntimo é ainda mais recomendado. "Sabemos que só o papel higiênico não resolve, pois, às vezes, não limpa, apenas absorve. Os sabonetes íntimos oferecem uma sensação de frescor, de limpeza. Outro aliado da mulher são os lenços umedecidos, que servem para complementar essa higiene. É uma alternativa interessante, principalmente se estiver fora de casa e não tiver como se lavar. No entanto, é preciso prestar atenção no tipo de lenço que está sendo usado. Alguns não são indicados para a região vaginal e agridem demais a pele", alerta a ginecologista.

Em relação à menopausa, que tende a deixar a pele da vulva mais seca, Patrícia de Rossi explica que a mulher ainda pode lançar mão de outro produto caso sinta uma sensação constante de "pinicação" na região sexual: um creme hidratante. "Não há problema nenhum, desde que passe na região dos grandes lábios. Tanto o sabonete quanto o hidratante só devem ser passados na região externa. Algumas pessoas acham que esse tipo de produto é necessário para equilibrar o pH da vagina, mas isso não tem nada a ver. A vagina elimina naturalmente as células descamadas. Eles são apenas para tirar a sujeira e descamação nas partes externas. É importante dizer que devem ser aplicados no mesmo sentido, primeiro na parte da frente, depois de trás", orienta a especialista.

A médica afirma ainda que a mulher precisa saber que os sabonetes íntimos não servem para tratar infecções. Portanto, se a mulher estiver com algum problema na reguião da vagina, a recomendação é que procure um médico. "Neste caso específico, ela deve tratar a infecção e suspender o uso do sabonete. Se tiver corrimento, pode continuar usando para ajudar a manter a higiene, mas, precisa saber que apenas o sabonete não vai resolver o problema. Inclusive, se a vulva estiver muito irritada, ela não irá conseguir manter o uso dele por estar com a pele muito sensível", comenta Patrícia.

A ginecologista dá outras dicas sobre o sabonete íntimo:

  • Optar por sabonete líquido, que não possa ser compartilhado com outras pessoas e nem deixa resíduos

  • Existem alguns sabonetes com perfumes ou neutralizador de odores. Se não causar irritação, não há problema algum em usá-los

  • Utilizar sempre sabonetes íntimos e lenços umedecidos que não contenham álcool

  • Veja se o produto é específico para a região genital. Se a mulher usar produtos que não seguem a formulação correta, estará mais suscetível a problemas, uma vez que a pele pode ficar menos protegida

  • Evitar produtos bactericidas

Últimas notícias

Comentários