Belo Horizonte já registrou quase 2,5 mil casos de conjuntivite

Fique atento às formas de prevenção, para evitar surtos dessa doença infecciosa

por Encontro Digital 03/04/2018 09:24

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Grandlakeeyecarellc.com/Reprodução
(foto: Grandlakeeyecarellc.com/Reprodução)
Com a chegada do Outono tem início também a época em que há um aumento no número de casos de conjuntivite. A inflamação nos olhos precisa ser tratada corretamente, já que é altamente contagiosa. Segundo a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH), casos individuais de conjuntivite não precisam ser notificados obrigatoriamente para as autoridades de saúde do município, mas os profissionais devem avisar sobre a ocorrência de surtos da doença.

Dados da PBH mostram que, este ano, as regionais que apresentaram maior número de casos foram a leste, a norte, a nordeste, a oeste e a Pampulha. No total, foram registrados 2.497 doentes com conjuntivite atendidos nos centros de saúde de BH. A informação faz parte da Vigilância Epidemiológica da secretaria municipal de Saúde (SMSA).

Sintomas

A conjuntivite é a inflamação da conjuntiva, que é a membrana que recobre a porção anterior da esclera e a face interna das pálpebras. A doença, causada por alergia, bactéria ou vírus, é transmitida de pessoa a pessoa, principalmente por objetos contaminados como toalhas, travesseiros, lenços e copos.

A SMSA esclarece que os principais sintomas da conjuntivite são olhos irritados ou vermelhos, inchaço nas pálpebras e secreção ocular ou lacrimejamento. Diante destes sinais, é preciso procurar atendimento médico adequado, para receber o devido diagnóstico e as orientações em relação ao tratamento.

Formas de prevenção da doença:

  • Lavar as mãos com frequência e utilizar o álcool gel com no mínimo 70% de concentração

  • Evitar colocar as mãos nos olhos, especialmente para coçá-los

  • Não compartilhar objetos de uso pessoal como maquiagem, toalhas, óculos, travesseiros, fronhas, copos e lenços

  • Evitar banhos de piscina em períodos de surtos da doença

  • Evitar locais com aglomerações de pessoas

  • Cobrir o nariz e a boca ao tossir ou espirrar com toalha/lenço de papel, descartá-los em seguida e lavar as mãos
(com assessoria de comunicação da PBH)

Últimas notícias

Comentários