Câncer de boca tem alta incidência entre os homens

Doença tem várias causas, incluindo cigarro e uso errado de dentaduras

por Da redação com assessorias 10/05/2018 12:24

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
(foto: Pixabay)
Dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca) mostram que o câncer de boca é um dos 10 tipos da doença que mais afeta os homens brasileiros. O dentista Sebastião Jacintho, diretor da Oral Sin, de Belo Horizonte, alerta que esse tumor registra 10 mil novos casos todos os anos, sendo que, desse total, 40% são graves o suficiente para causar a morte do paciente. "Câncer é um assunto muito sério que, se não diagnosticado e tratado em sua fase inicial, pode até levar à morte", comenta o especialista.

É importante ficar atento a alguns sinais do tumor na boca que podem aparecer como, por exemplo, uma simples afta. O senso comum é de que toda lesão na boca se resume à afta, porém, essa pequena úlcera é benigna apenas quando desaparece em no máximo 10 dias. Se isso não acontecer, o recomendado é procurar um dentista, porque a "afta" pode representar o início de um câncer.

Dois fatores determinantes que podem levar ao surgimento desse tipo de cancro é o mau uso das dentaduras e o tabagismo. No caso do cigarro, o risco é aumentado em até 15 vezes a probabilidade de desenvolver o problema na boca. O cigarro contém 60 substâncias com poder cancerígeno, além dos seus componentes tóxicos e a inalação da fumaça quente, que também é prejudicial à saúde.

Outra possível causa da doença é a ingestão excessiva de bebida alcoólica, que aumenta cerca de nove vezes o risco de câncer. O abuso do álcool é responsável por 2% a 4% das mortes por tumor e, mais especificamente, de 50% a 70% de todas as mortes por câncer de língua, cavidade oral, faringe e esôfago. A exposição excessiva ao Sol também pode provocar um câncer de lábio inferior. Pessoas de cor clara, com pouca pigmentação de melanina, são as que apresentam maior risco.

Mas, Sebastião Jacintho esclarece que é possível se prevenir e o autoexame bucal é um processo simples. "Basta um espelho e um ambiente iluminado para conhecer sua própria estrutura da boca. Identifique possíveis anormalidades, como mudança na aparência dos lábios ou na parte interna da boca, caroços, feridas e inchaços. Vale lembrar que o autoexame não substitui o exame clínico, ou seja, mesmo que não exista nenhuma alteração, por isso é muito importante consultar regularmente um dentista de confiança", afirma o especialista.

Últimas notícias

Comentários