Publicidade

Estado de Minas SAúDE

Crianças são as principais vítimas de queimaduras no Brasil

Acidentes com água fervendo ainda causam muitos danos aos pequenos


postado em 14/05/2018 10:45 / atualizado em 14/05/2018 11:11

(foto: Pixabay)
(foto: Pixabay)
Acidentes domésticos são mais comuns do que imaginamos. Muitos deles, infelizmente, podem deixar marcas para o resto da vida, especialmente se o acidente envolver queimadura. Segundo o Ministério da Saúde, cerca de um milhão de pessoas sofrem queimaduras no Brasil, todos os anos, sendo as crianças as principais vítimas.

Um estudo feito pela Unidade de Tratamento de Queimados, da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), mostra que a maior ocorrência de queimaduras acontece em crianças com até dois anos de idade, sendo a escaldadura a causa mais frequente do problema. Nas crianças entre 5 e 13 anos, a causa mais comum é a combustão por álcool. Outro dado que chama a atenção: 68,4% dos acidentes ocorrem com meninos.

Como lembra o cirurgião plástico Luiz Molina, presidente da Sociedade Brasileira de Queimaduras e professor assistente da USP, a queimadura é uma lesão provocada por contato direto com alguma fonte de calor ou de frio, produtos químicos, eletricidade, radiação, animais ou plantas (lagartas, água-viva etc.).

"Entretanto, no dia a dia, o mais comum são crianças que acidentalmente tiveram contato com água ou outro líquido fervente, principalmente na cozinha. Infelizmente, as queimaduras são a quarta causa de óbito e hospitalização por acidente de crianças e adolescentes menores de 14 anos. Além do risco de morte, as queimaduras costumam deixar cicatrizes que duram toda a vida e têm um enorme impacto social e emocional", comenta o médico.

Quanto mais profunda a lesão, maior o risco de cicatriz. Além disso, as queimaduras podem ser de primeiro, segundo e terceiro graus. Essa classificação vai depender de quão profunda é a lesão. "A mais grave é a de terceiro grau, que atinge todas as camadas da pele, podendo chegar até o osso", explica Luiz Molina.

Nas queimaduras de terceiro grau é necessário realizar cirurgias reparadoras com enxerto de pele. "O tratamento é longo, complexo e multidisciplinar. Atendemos centenas de crianças e adolescentes vítimas de queimaduras em nosso serviço e percebemos que é fundamental oferecer suporte para resgatar a autoestima e autoconfiança deste público", afirma o especialista.

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade