Misturar energético e bebida alcoólica pode ser perigoso

Além de potencializar o álcool, excesso de cafeína é ruim para o coração

por Da redação com assessorias 12/06/2018 09:46

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
(foto: Pixabay)
Nas boates, nos bares e nas festas, é muito comum ver o público jovem misturando diferentes bebidas alcoólicas, como uísque e vodca, com energético. O problema é que essa mistura pode resultar noo aumento da frequência cardíaca e levar até a uma parada cardíaca.

De acordo com a cardiologista Airma Cutrim, do hospital Edmundo Vasconcelos, de São Paulo (SP), os energéticos apresentam em sua composição substâncias como cafeína e taurina que, em quantidades exageradas, são extremamente estimulantes para o coração e podem provocar danos cardíacos.

"Alguns energéticos chegam a ter 35 mg de cafeína, que é uma quantidade alta. Doses de até dois miligramas por quilo desencadeiam somente um estado de vigília e aumento do metabolismo, porém, quando a concentração é acima de 15 mg por quilo, pode desenvolver nervosismo, insônia, tremor, desidratação e taquicardia", comenta a especialista.

Além disso, misturar as bebidas energéticas com uísque ou vodca, por exemplo, potencializa o efeito do álcool e pode acarretar em sérias consequências para o organismo. "A cafeína presente no energético aumenta a absorção do álcool, levando a um efeito ainda maior da substância. As pessoas misturam as duas bebidas por acreditarem que assim ficam mais resistentes ao álcool, mas, apesar da cafeína, o efeito cerebral do álcool não é reduzido. Pelo contrário, a mistura pode deixar as pessoas alcoolizadas ainda mais rapidamente", afirma a médica.

Outro engano comum é acreditar que somente pessoas com histórico de problemas no coração podem ter essas consequências. A cardiologista alerta que a ingestão dessas bebidas pode provocar arritmias também em pessoas saudáveis. "Quem já tem fator de base, como hipertensão, corre um risco maior, mas pode acontecer com qualquer pessoa", diz Airma Cutrim.

Últimas notícias

Comentários