Só a bichectomia não é suficiente para a harmonização do rosto

Especialista lembra que são precisos outros procedimentos estéticos

por Da redação com assessorias 12/06/2018 10:51

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
(foto: Pixabay)
Cada vez mais pessoas estão aderindo à bichectomia, procedimento cirúrgico que ajuda a deixar o rosto mais fino. A técnica reduz o tamanho das bochechas. De acordo com o cirurgião plástico Newton Roldão, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), essa cirurgia é indicada para diminuir a evidência da bochecha, retirando uma porção de tecido gorduroso chamado de Bola de Bichat. Como resultado há uma diminuição no formato arredondado do rosto, resultando em uma face mais magra e harmoniosa.

Dados da SBCP apontam que 7.362 brasileiros passaram pela bichectomia em 2016, o que representa um aumento de 14,25% se comparado ao ano de 2014. "Mas, foi em 2017 que vimos aumentar bastante a procura por esta técnica. Por mais que a cirurgia tenha se popularizado, é preciso ficar atento a alguns alertas", comenta o médico.

O especialista ressalta que apesar de ser uma cirurgia rápida, a gordura é retirada de um local bastante delicado, próximo a muitas glândulas, nervos e artérias que são estruturas importantes da face. Além disso, o procedimento é irreversível. Por isso, é necessário um profissional que tenha conhecimento e experiência, para que também seja feita uma avaliação correta sobre a real necessidade de modificar o rosto do paciente por meio da técnica mais invasiva.

Newton Roldão destaca que somente a bichectomia não traz um resultado expressivo para quem deseja conquistar harmonização facial. Para isso, é necessário uma série de avaliações e um conjunto de procedimentos estéticos ajudam a integrar harmoniosa e funcionalmente as expressões faciais, papada, lábios, nariz, olhos, pálpebras e até mesmo os dentes e a gengiva – neste caso, com o apoio de profissional especializado em odontologia estética.

"Isso tudo pode ser feito através da integração da bichectomia com lipoaspiração facial, blefaroplastia [melhora o aspecto das pálpebras], aplicação de toxina botulínica e ácido hialurônico, bem como com a complementação de uma prótese ortodôntica, clareamento dentário, entre outros procedimentos. Tudo em busca do equilíbrio estético funcional da face", afirma o cirurgião plástico.

Em relação ao pós-operatório da bichectomia, o médico revela que costuma ser tranquilo e pouco doloroso. O resultado final é visível três meses depois do procedimento, quando a musculatura da face já está totalmente reposicionada. Ainda assim, é comum o inchaço aparecer nos primeiros dias. Para diminuir o sintoma, basta usar compressas de gelo, dar preferência para alimentos frios e fazer uma dieta mais líquida ou pastosa. Além disso, os pacientes devem evitar banhos quentes.

Últimas notícias

Comentários