Publicidade

Estado de Minas SAúDE

Cientistas criam vacina 'definitiva' contra a gripe

O imunizante é capaz de combater todos os tipos do vírus Influenza


postado em 29/08/2018 08:47 / atualizado em 29/08/2018 09:23

(foto: Pixabay)
(foto: Pixabay)
Cientistas da Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos, devem testar em humanos, em breve, uma vacina "universal" para a gripe. Os imunizantes atuais, como os ofertados pelo Ministério da Saúde nas campanhas de vacinação para grupos de risco, costumam perder a capacidade protetora quando o vírus Influenza sofre mutação. Mas, a pesquisa americana se mostra promissora justamente por ter como alvo uma parte do patógeno que não muda conforme surgem novas variantes (como a H1N1, H5N1 ou H3N2).

Os pesquisadores se dizem "maravilhados" com o sucesso da vacina nos testes com cobaias. Os resultados foram publicados em agosto na revista científica Nature Communications.

Apesar da facilidade no acesso às vacinas contra a gripe, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), 3,5 milhões de pessoas são infectados pelo Influenza todos os anos. No início deste ano, os EUA enfretaram um surto da variante H3N2 do micro-organismo.

No estudo da Universidade da Pensilvânia as respostas do organismo à infeção se fortaleceram ao longo do tempo depois da aplicação da nova vacina. A eficácia se mostrou maior após 30 semanas. "Se funcionar em humanos, mesmo em metade do que funcionou em cobaias, então o 'céu é o limite'", comenta Scott Hensley, autor do estudo, no artigo de divulgação da pesquisa. "Pode ser algo que todo mundo venha a utilizar no futuro para se proteger da gripe", completa o pesquisador.

De acordo com os especialistas, o imunizante inovador consegue imitar uma infeção da gripe e provocar resposta do sistema imunológico do corpo para capturar e atacar o vírus. Mas, o diferencial é que, se imaginarmos que o vírus é coberto com proteínas em forma de cogumelos, a vacina ataca o caule do cogumelo.

Os demais imunizantes usados de forma sazional atacam a "cabeça" do cogumelo, que pode sofrer mutação da forma de acordo com as estirpes do micro-organismo. É por isso que essas vacinas oferecidas pelo governo têm de ser "atualizadas" todos os anos.

"Nosso imunizante foi capaz de fazer algo que a maioria das outras vacinas contra a gripe não foram capazes de fazer", afirma Drew Weissman, autor do estudo, também no texto de divulgação da pesquisa.

"Quando começamos a testar a vacina, ficamos impressionados com a magnitude da resposta imune", acrescenta Scott Hensley.

Além dos testes com cobaias, cientistas também avaliaram os efeitos protetores em outros animais (furões e coelhos) e aguardam a possibilidade de realização de experimentos em humanos dentro de dois anos.

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade