Publicidade

Estado de Minas CIêNCIA

Cientistas brasileiros descobriram nova espécie de mosca

Nome da drosófila homenageia cientista da Fiocruz


postado em 13/09/2018 09:42 / atualizado em 13/09/2018 09:58

(foto: USP Imagens/Divulgação)
(foto: USP Imagens/Divulgação)
Pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e da Universidade de São Paulo (USP) descobriram uma nova espécie de mosca drosófila (muito conhecida por viver perto das bananas) na reserva florestal do Instituto de Biociências da USP. O nome escolhido para ela foi Drosophila peixotoi, em homenagem ao pesquisador Alexandre Peixoto, falecido em 2013, e que trabalhava no do Instituto Oswaldo Cruz (IOC) da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) – ele trabalhou com genética, evolução e comportamento das drosófilas. A pesquisa foi publicada na Revista Brasileira de Entomologia.

"Trabalhei no laboratório de Genética de Populações de Drosophila, do departamento de Genética da UFRJ, onde Alexandre Peixoto iniciou suas pesquisas e fez seu mestrado uma geração antes de mim. Ele participou da minha banca de mestrado em 2001. Ao longo dos anos, encontrei-o em muitas rodas acadêmicas e guardo a boa lembrança de uma pessoa sempre muito agradável, sorridente e doce", comenta a pesquisadora Suzana Casaccia Vaz, uma das autoras do estudo.

A mosca recém descoberta é pequena e de cor castanho escura. Ela apresenta características semelhantes às drosófilas que pertencem a um grupo denominado "guarani", que inclui espécies já conhecidas, como D. guaru, D. ornatifrons e D. subbadia. Dentre os aspectos diferenciativos na morfologia da nova espécie, estão a presença de um espinho escuro na estrutura reprodutiva dos machos e o órgão ovipositor das fêmeas relativamente curto e achatado.

A descoberta foi realizada durante estudos de levantamento de drosófilas, cujas coletas são feitas, em geral, com o uso de iscas de banana fermentada, onde as moscas colocam ovos e se desenvolvem. "Muitas espécies são criadas em laboratório a partir de meios de cultura com banana fermentada. Porém, há aquelas que não são adaptadas a se desenvolver ou se alimentar nesses substratos. Por isso, começamos a buscar drosófilas em substratos inusitados como fungos, seiva de troncos e flores", explica Suzana.

A D. peixotoi foi encontrada em ramos floridos, ou inflorescências, de três espécies de plantas da família Marantaceae, que servem de abrigo para o desenvolvimento do ciclo de vida do inseto, do ovo à fase adulta. Durante o estudo, os pesquisadores também identificaram e descreveram uma segunda nova espécie, que recebeu o nome de D. asymmetrica. De acordo com a cientista, as espécies não transmitem micro-organismos causadores de doenças.

(com Agência Fiocruz)

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade