Publicidade

Estado de Minas MúSICA

Florence Foster Jenkins: 'pior cantora do mundo' reacende o debate sobre talento e fama

Filme em exibição nos cinemas mostra a trajetória da cantora americana que não tinha dom para a música e mesmo assim fez sucesso


postado em 22/07/2016 08:11 / atualizado em 22/07/2016 18:36

Ter talento musical é importante para fazer sucesso? A americana Florence Foster Jenkins, nascida na Pensilvânia em 1868, mostrou que a resposta para essa pergunta é não. A biografia da "artista" é representada no filme Florence Foster – Quem é essa mulher?, recém-lançado nos cinemas brasileiros e estrelado pela consagrada atriz Meryl Streep.

Nas primeiras décadas do século XX, Florence se tornou famosa como cantora, mas, definitivamente, não foi devido à sua voz. Ela era muito desafinada. Cantava mal, de verdade. Mas, qual seria, então, o segredo de Florence Foster Jenkins? Duas coisas: carisma e muito dinheiro.

Sem contar com o talento, a rica herança deixada pelo pai e a energia nos palcos fizeram com que a americana alcançasse o tão sonhado sucesso. Florence, aos 76 anos, chegou a se apresentar no Carnegie Hall, em Nova Iorque, em 1944. Esta é uma das casas de espetáculos mais prestigiadas dos Estados Unidos, onde se apresentariam, posteriormente, artistas como Judy Garland, Beatles e Frank Sinatra.

Uma semana depois do show no Carnegie Hall, em Nova Iorque, que representa o grande momento de sua carreira, Florence Foster Jenkins falece(foto: Carnegiehall.org/Reprodução)
Uma semana depois do show no Carnegie Hall, em Nova Iorque, que representa o grande momento de sua carreira, Florence Foster Jenkins falece (foto: Carnegiehall.org/Reprodução)

A "pior cantora do mundo" morreu uma semana após sua grande apresentação no teatro nova-iorquino. Durante toda a carreira, lançou dois discos e conquistou uma legião de fãs. Segundo consta, até mesmo David Bowie e Bárbara Streisand se tornaram fãs da artista americana, após conhecerem sua inusitada história.

"As pessoas podem dizer que eu não sei cantar, mas ninguém pode dizer que não cantei", dizia Florence Foster.

Ouça, abaixo, a uma apresentação da artista, que tenta interpretar A Rainha da Noite, de Mozart:


Fama e talento estão relacionados?

A história da cantora "sui generis", que voltou à mídia com o lançamento do filme, reacendeu o debate sobre a relação entre talento e fama. Segundo o produtor e crítico musical Kiko Ferreira, não é difícil fazer sucesso, mesmo sem ter dom para a música. "Basta lembrar as vendas astronômicas dos discos infantis da Xuxa, no início dos anos 1990. Atualmente, é ainda mais fácil, porque temos vários recursos eletrônicos que afinam as vozes. Vivemos numa época em que o produtor é mais importante que o artista", comenta o especialista.
A grande atriz Meryl Streep interpreta a
A grande atriz Meryl Streep interpreta a "pior cantora do mundo" no filme Florence Foster %u2013 Quem é essa mulher?, em cartaz nos cinemas brasileiros (foto: YouTube/Reprodução)

Carisma

Florence Foster Jenkins não tinha talento para a música, isso ninguém pode negar, mas era muito carismática. Segundo Kiko Ferreira, a "presença de palco" – como é chamado o desempenho do artista durante um show – continua sendo um trunfo valioso para a indústria do entretenimento. Como lembra o crítico musical, a imagem é fundamental para o sucesso.

Dinheiro

Já em relação à importância do dinheiro para se alcançar a fama, Kiko Ferreira explica que nem sempre os artistas mais ricos são os que têm mais sucesso. "O investimento mais pesado, normalmente, parte da indústria musical. As gravadoras são as responsáveis por aplicar muito dinheiro para que suas músicas sejam as mais tocadas, as mais baixadas, enfim, se tornem hits", esclarece o crítico e produtor musical mineiro.

Assista ao trailer do filme Florence Foster – Quem é essa mulher? e clique aqui para saber onde ele está sendo exibido em Belo Horizonte:

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade