Publicidade

Estado de Minas CELEBRIDADES

Amado Batista diz que Jair Bolsonaro devia ser presidente do Brasil

O cantor popular também fez críticas aos artistas que 'abusam' da Lei Rouanet


postado em 01/02/2017 15:06

Em entrevista para a rádio Cultura AM, de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, o cantor Amado Batista, famoso por suas músicas bregas, extremamente populares, criticou os artistas que se aproveitam do financiamento público, por meio da Lei Rouanet, e revelou, ainda, que apoia o polêmico deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) para a presidência do Brasil.

"Nós estamos precisando de um presidente de pulso firme, que seja democrático, mas que seja firme. Temos que votar em um cara que realmente tenha credibilidade, que seja uma pessoa como nós. O Jair Bolsonaro, por exemplo. Mas, não é só votar nele, não. Você tem que votar também em quem o apoia, porque se não o cara não terá como governar. Bolsonaro é um cara democrático, que tem pulso firme, e tenho certeza absoluta que você não irá ver nada de corrupção com ele", diz Amado Batista à rádio sul-mato-grossense.

O cantor de 65 anos, que é natural de Catalão, em Goiás, reclama que a corrupção é o grande mal que impede que o nosso país avance nas áreas essenciais para a população. Para ele, 90% dos políticos estão "contaminados" por esse desvio de conduta. "O Brasil não consegue sair dessa, porque eles arrumam um monte de leis. O Renan Calheiros [presidente do Senado] está fazendo de tudo para não ser investigado, porque ali o buraco é fundo, podem ter certeza disso", reclama Amado Batista.

Além dos políticos, o intérprete de Amor Perfeito (O Fruto do Nosso Amor) e Processado por Amor também fez questão de criticar os artistas que se aproveitam das "brechas" na Lei Rouanet para conseguirem financiamento público, mesmo que não precisem desse dinheiro. "Nós vimos informações de um cara que não gosta do nosso país, que adora Fidel Castro, que adora Cuba, mas em compensação ele levou R$ 13 milhões da Lei Rouanet, que é o Chico Buarque de Holanda. O Jô Soares levou não sei quanto, a Claudinha Leite levou R$ 6 milhões, a Ivete Sangalo não sei quantos milhões, entendeu? E essas pessoas não precisam disso. Eu acho isso horrível, mas eles estão dentro da lei. Se a lei existe, acho que não deveria existir uma lei para facilitar esse tipo de coisa. A lei deveria facilitar para arrumar emprego para as pessoas que precisam", denuncia Amado Batista à rádio Cultura AM.

Questionado se não estaria interessado em seguir o exemplo de outros artistas, como o cantor sertanejo Sérgio Reis, e ingressar na política, o músico afirma que isso não faz parte de seus planos, mas entende a opção do amigo paulista. "O Sérgio Reis é meu amigo, meu irmão, mas está na política por vaidade. Ele queria ser deputado federal, mas é um cara que tem um coração maior que nós. Pode ter certeza que ele é um dos caras que jamais alguém poderá contar para a corrupção. Ele está ali porque é um ser humano que gostaria de melhorar aquilo lá, mas é uma melhoria tão inexpressiva que não tem como mudar. Quer fazer, mas não tem como fazer", comenta o grande astro do brega, que já vendeu mais de 25 milhões de discos.

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade