Publicidade

Estado de Minas SAÚDE

Tabagismo e obesidade aumentam risco de câncer de pâncreas

Teste genéticos e moleculares e equipe multidisciplinar são determinantes para um tratamento individualizado e eficaz


postado em 05/09/2023 14:45

(foto: Freepik)
(foto: Freepik)
O tabagismo e a obesidade são considerados os fatores de risco mais importantes do câncer de pâncreas, que acomete anualmente 10.980 brasileiros, conforme dados do INCA, junto às condições pré-existentes, diabetes e pancreatite crônica. "O risco de desenvolver a doença é cerca de duas vezes maior entre fumantes em comparação com aqueles que nunca fumaram, portanto 25% dos casos de tumor de pâncreas são causados pelo tabagismo. Em relação ao sobrepeso, pessoas com índice de massa corpórea superior ou igual a 30, têm 20% a mais de chance de apresentar a neoplasia", relata Ana Carolina Guimarães de Castro, oncologista do hospital Oncobio, de Belo Horizonte.

A médica acrescenta que síndromes genéticas hereditárias podem ser responsáveis por 10% dos casos de adenocarcinoma de pâncreas, tais como síndrome hereditária do tumor de ovário e câncer de mama hereditário, por isso recomenda-se o aconselhamento genético após confirmação do diagnóstico. "Normalmente, o paciente é submetido a análises moleculares e genéticas para avaliar o tratamento com terapia-alvo. No teste genético BRCA1 e BRCA2, em caso de positividade para uma dessas, será indicada uma medicação oral específica. Já a pesquisa de instabilidade de microssatélites permitirá empregar a imunoterapia", informa.

A oncologista Ana Carolina Guimarães de Castro(foto: Divulgação)
A oncologista Ana Carolina Guimarães de Castro (foto: Divulgação)
Além de drogas-alvo e terapia biológica, o tratamento da neoplasia de pâncreas pode incluir cirurgia, quimioterapia e radioterapia. Fundamentalmente, a doença deve ser abordada por uma equipe multidisciplinar, conforme as diretrizes da Sociedade Americana de Oncologia Clínica (ASCO), com profissionais de cirurgia oncológica, oncologia clínica e quimioterapia, a fim de garantir uma terapêutica completa e eficaz.

Em sua fase inicial, o tumor costuma ser tratado por meio de cirurgia, que pode ser feita por videolaparoscopia. Dependendo da localização e do tamanho da lesão, emprega-se a quimioterapia antes do ato cirúrgico, com o intuito de reduzir o volume da doença. Em algumas situações é indicada a radioterapia antes do procedimento cirúrgico, cujas técnicas podem ser conformacional 3D ou guiada por imagem 4D, ou realizada ainda durante a cirurgia – ambas permitem doses adequadas de radiação no tumor preservando os tecidos saudáveis ao seu redor", esclarece a oncologista.

Por se tratar de um câncer com sintomas inespecíficos, a Dra. Ana Carolina recomenda a necessidade de adotar hábitos saudáveis, abandonar o tabagismo e buscar orientação médica diante de qualquer incômodo para um exame de imagem abdominal. "Na fase inicial, esses tumores costumam ser assintomáticos porque o órgão fica localizado em uma região mais profunda do abdômen, atrás de outros órgãos e próximo de alguns vasos. Quando os sintomas aparecem consistem em perda de apetite, emagrecimento, fraqueza, diarreia e tontura. O método mais eficaz de prevenção do câncer de pâncreas é abandonar qualquer tipo de fumo (tabaco, eletrônico, de palha e narguilé), manter uma alimentação equilibrada, rica em fibras, frutas e verduras, praticar atividade física regularmente e evitar o consumo de bebida alcoólica", finaliza.

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade