Publicidade

Estado de Minas SAÚDE

Maus hábitos alimentares são fatores de risco do câncer de estômago

Dieta rica em carne vermelha e comida ultraprocessada, associada ao tabagismo, sedentarismo e ingestão de álcool, podem favorecer o desenvolvimento da doença


postado em 23/10/2023 15:15 / atualizado em 23/10/2023 15:21

(foto: Freepik)
(foto: Freepik)
A Organização Mundial da Saúde (OMS) atualizou suas diretrizes sobre o consumo de gorduras, açúcares e carboidratos com a finalidade de colaborar para a redução do risco de sobrepeso e obesidade e doenças não transmissíveis relacionadas. Cientificamente comprovado, a ingestão excessiva desses itens favorece o desenvolvimento de alguns tipos de câncer, entre eles, o gástrico.

"Uma dieta rica em carne vermelha, alimentos ultraprocessados, como embutidos e defumados, álcool e sal, e pobre em frutas e vegetais, associada ao tabagismo e sedentarismo são os principais fatores de risco do tumor gástrico, bem como infecção pela bactéria Helicobacter pylori e pelo vírus Epstein-Barr, doença do refluxo gastroesofágico (DRGE) e esôfago de Barrett. Há também um risco aumentado para pessoas com algumas síndromes genéticas, com polipose adenomatosa familiar e as síndromes de Li Fraumeni e Lynch de Peutz Jeghers", esclarece Juliano Dazzi Rigoni, oncologista do Grupo de Tumores do Trato Gastrointestinal do Hospital Vila da Serra.

O médico Juliano Dazzi Rigoni, oncologista do Grupo de Tumores do Trato Gastrointestinal do Hospital Vila da Serra(foto: Arquivo pessoal)
O médico Juliano Dazzi Rigoni, oncologista do Grupo de Tumores do Trato Gastrointestinal do Hospital Vila da Serra (foto: Arquivo pessoal)
No Brasil são estimados 21.480 casos de câncer de estômago para cada ano do triênio 2023-2025, segundo o INCA, mas apesar da sua prevalência na população idosa, o oncologista alerta para o aumento da incidência da doença em pacientes abaixo de 50 anos. "Essa mudança de perfil etário deve-se à disbiose do microbioma gástrico (alteração da microbiota intestinal) secundária ao uso excessivo e indiscriminado de antibióticos ao longo da vida, causando gastrites atróficas e aumentando o risco de desenvolvimento dos tumores", comenta.

De acordo com Juliano Dazzi Rigoni, o tumor gástrico pode levar décadas para se desenvolver e é assintomático em estágios iniciais. "É uma neoplasia insidiosa e progressiva, que começa com lesões nas células gástricas, gerando displasias e metaplasias, até evoluir para lesões pré-malignas e os tumores propriamente ditos. Normalmente, em pacientes jovens e portadores de síndromes genéticas o câncer de estômago cresce mais rápido, em poucos anos. Os sintomas variam de acordo com a região gástrica acometida: epigastralgia (dor de estômago), pirose (queimação), náusea ou vômitos, sensação de "empachamento/indigestão" (retenção do alimento por um tempo prolongado no estômago). Em fases mais avançadas, os sinais são perda de peso, astenia (fadiga), sensação de saciedade precoce e anemia", afirma.

Seja qual for o indício, o médico ressalta que é fundamental passar por uma avaliação médica. "Posteriormente à identificação de fatores de risco e ao exame físico é feita uma endoscopia digestiva alta seguida de biópsia. Confirmado o câncer de estômago, são realizados exames complementares para estadiamento tumoral, como ecoendoscopia, tomografia, ressonância, PET-Scan e laparoscopia", descreve.

A boa notícia é que a medicina de precisão permite tratamentos individualizados para os diferentes estágios da doença. "Até poucos anos atrás, as terapêuticas eram limitadas à cirurgia, quimioterapia e radioterapia. Recentemente, estudos mostraram benefícios na incorporação de novas terapias, como a imunoterapia (Pembrolizumabe, Nivolumabe) para pacientes expressores de PDL-1, terapia direcionada anti-HER2 (trastuzumabe, trastuzumabe + deruxtecan), e as terapias alvo-direcionadas para fusões em N-TRAK (larotrectinibe, entrectinibe), pacientes alto expressores da proteína Claudina 18.2 (Zolbetuximabe), além da indicação já consolidada da imunoterapia Pembrolizumabe para portadores de instabilidades de microssatélites ou TBM-high (alta taxa de mutações no DNA de células tumorais)", conclui Juliano Dazzi Rigoni.

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade