Publicidade

Estado de Minas SAúDE

Crianças que mamam no peito têm dentes mais saudáveis

Além dos benefícios já conhecidos, a amamentação contribui para a melhoria da respiração do bebê, segundo especialista


postado em 16/12/2014 18:14

O leite materno contém nutrientes importantes, inclusive anticorpos, enzimas e hormônios de crescimento que oferecem benefícios não disponíveis em outras fontes alimentares. Muito se fala das vantagens da amamentação, tanto para a mãe quanto para o bebê. Mas é importante analisar também o papel da amamentação do ponto de vista mecânico. A forma com que a criança usa os maxilares, a língua e os músculos faciais para mamar faz toda diferença no seu desenvolvimento, resultando em uma saúde oral melhor do que aqueles bebês que usam mamadeira desde cedo.

Alguns especialistas da saúde já destacavam a importância do aleitamento materno no desenvolvimento da mordida, dos dentes e da respiração. Depois de examinar mais de mil crianças em idade pré-escolar, pesquisadores perceberam que aqueles amamentados no peito por pelo menos seis meses apresentavam menos problemas relacionados ao alinhamento e apinhamento – diferença entre o tamanho dos dentes e dos maxilares.

Na opinião da odontopediatra Sandra Kalil, a amamentação exige do bebê uma sofisticada coordenação de músculos e movimentos de mandíbula e língua. “O uso de mamadeira e garrafinhas é totalmente diferente, já que o líquido passa com muita facilidade pelos respectivos orifícios, não exigindo movimentos tão importantes por parte da criança. Ou seja, o bebê tem de se esforçar mais se quiser mamar no peito, tanto que em algumas situações se mostram cansados.”

Unanimidade entre as principais organizações de saúde, a amamentação deve durar seis meses, podendo se estender até a criança completar 1 ano, ainda que ela já esteja se alimentando de outras formas. “Algumas mães desistem de amamentar logo de início, principalmente quando a criança demora para sugar o peito, o que é errado.”

O desmame precoce traz consequências negativas ao bebê, principalmente no desenvolvimento motor-oral, na oclusão e na respiração. A amamentação contribui, inclusive, para que o processo de mastigação seja isento de problemas no futuro. Daí a importância de se insistir mais no aleitamento materno”, completa a dentista.

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade