Publicidade

Estado de Minas SAúDE

Médico confirma risco de trombose provocada por anticoncepcionais

Mas o especialista lembra que isso se refere a mulheres que apresentam outros fatores de risco, como obesidade, e explica que os benefícios do remédio são maiores do que os riscos


postado em 03/06/2015 14:09

As mulheres que usam pílulas anticoncepcionais vivem com uma dúvida: é verdade que elas podem causar trombose? O assunto é tão polêmico que será tema de uma audiência pública na Câmara dos Deputados. Quem estuda essa relação entre o medicamento e as conquências para o sistema circulatório é Erich de Paulo, membro do Comitê de Trombose da Associação Brasileira de Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular.

Ele lembra que em 2013, após uma análise sistemática do tema, que avaliou tudo que já se tinha estudado sobre trombose e anticoncepcionais, um importante estudo foi publicado sobre a polêmica médica.

Segundo Erich, como qualquer medicamento, os anticoncepcionais apresentam benefícios e riscos. O médico diz que um dos riscos do contraceptivo é o aumento da frequência de trombose, tanto da venosa quanto da arterial, como o AVC. Esse aumento é considerado pequeno em mulheres normais, mas podem ser altos para aquelas que apresentam fatores de risco como obesidade, uso de cigarro e idade maior que 35 anos. Apesar disso, de acordo com o especialista, a comunidade médica avalia que na relação risco-benefício, as vantagens são maiores do que os problemas.

Sobre a discussão da necessidade de exame que indica risco de trombose na mulher, antes da prescrição do anticoncepcional, o Erich de Paulo avalia que nem todo mundo precisa fazer o teste antes de usar a pílula, porque esse exame não é 100% preciso. "Então, a melhor recomendação é que o ginecologista avalie o histórico da paciente na hora da prescrição", diz o médico.

Um estudo britânico mostra que as pílulas mais modernas apresentam maiores riscos do que as antigas. Para o especialista, essa pesquisa é confiável, já que avaliou dados de 25 estudos. "De fato, as novas gerações de pílulas apresentam risco de trombose um pouco maior do que as antigas", completa Erich.

(com portal EBC e Rádio Nacional de Brasília)

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade