Publicidade

Estado de Minas CONSPIRAçãO

Será que o mundo vai acabar em setembro de 2015?

Novamente os teóricos do apocalipse escolhem uma data para o suplício da Terra. Desta vez, a conspiração diz que um asteroide se chocará com o planeta neste ano


postado em 11/06/2015 08:37 / atualizado em 11/06/2015 17:16

Se dependesse das teorias da conspiração, o mundo não teria sobrevivido aos anos de 1997, 2000 e 2012.  A previsão da vez é de que a humanidade está prestes a ter um fim entre os dias 22 e 28 de setembro deste ano. Teóricos dizem que um asteroide estaria em rota de colisão com a Terra, e que, inclusive, o exército dos Estados Unidos já estaria se preparando para um cenário de caos que se instalaria nos dias seguintes ao colapso.

Isso seria justificado por um grande treinamento militar chamado "Jade Helm", que será realizado, em breve, em vários estados americanos. Entretanto, a finalidade da mobilização ainda é um mistério, segundo o jornal britânico Daily Mirror. Conspiradores estão sugerindo que os exercícios estão ligados ao enorme asteroide que estaria se aproximando da Terra.

Já uma corrente de teóricos bíblicos entende que a queda do asteroide será o início do arrebatamento e de um período de tribulação de sete anos, que antecede a volta de Jesus Cristo.

Teoria furada?

Para abafar o falatório que tomou conta das redes sociais, a Nasa, agência espacial norte-americana, informou que nenhum objeto grande é esperado nos arredores do planeta nas próximas centenas de anos.

O astrônomo Peter Leroy, professor da PUC Minas, também negou a hipótese de um asteroide passar perto da Terra neste ano. "Não existe base científica para esse asteroide de 2015. Acredito que seja mais uma teoria da conspiração, um alarme falso", aponta o especialista.

No entanto, o astrônomo não descarta a possibilidade de um grande acontecimento no planeta daqui a 35 anos. "Existe um asteroide grande que estaria em rota de colisão com a Terra, mas está previsto para o ano de 2050", diz  o professor.

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade