Publicidade

Estado de Minas MEIO-AMBIENTE

Imagens de antes e depois do rompimento das barragens em Mariana impressionam

A área afetada pelos rejeitos da mineração são bem maiores quando vistas pelas imagens de satélite


postado em 12/11/2015 10:45 / atualizado em 13/11/2015 18:14

Quando as barragens de rejeitos de mineração Fundão e Santarém, pertencentes à empresa Samarco, se romperam no dia 5 de novembro, no distrito de Bento Rodrigues, na região de Mariana, a mais de 122 km de Belo Horizonte, o Brasil todo parou para ver os estragos causados pela lama.

Além de deixar centenas de desabrigados e inúmeros desaparecidos, além de sete mortos já contabilizados, a correnteza provocada pelo acidente deixou um rastro de destruição ambiental que chegou até o Espírito Santo. Vários córregos, nascentes e lagoas foram infectados com os rejeitos de mineração. Um dos piores exemplos é o rio Doce, principal fonte de abastecimento da cidade de Governador Valadares, que possui mais de 245 mil habitantes, e que está totalmente impróprio para o consumo.

Se as palavras usadas para noticiar a triste cena observada no distrito de Bento Rodrigues não são suficientes, as imagens causam ainda mais comoção e impacto. Parecen nostrar cenas de um tsunami.

 

Para se entender a dimensão do estrago gerado pelas barragens da Samarco (empresa administrada pela Vale e BHP), confira abaixo algumas fotos feitas por satélite pela empresa GlobalGeo:

(foto: DigitalGlobe/GlobalGeo/Reprodução)
(foto: DigitalGlobe/GlobalGeo/Reprodução)

(foto: DigitalGlobe/GlobalGeo/Reprodução)
(foto: DigitalGlobe/GlobalGeo/Reprodução)

(foto: DigitalGlobe/GlobalGeo/Reprodução)
(foto: DigitalGlobe/GlobalGeo/Reprodução)

(foto: DigitalGlobe/GlobalGeo/Reprodução)
(foto: DigitalGlobe/GlobalGeo/Reprodução)

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade