Publicidade

Estado de Minas INTERNACIONAL

Líbia poderá ser 'novo reduto' do grupo Estado Islâmico

Governo líbio pede atenção do mundo para evitar surgimento de células terroristas no país


postado em 18/11/2015 12:13

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Líbia, Mohamed Dauri, advertiu que a Líbia poderá ser "o novo reduto" do grupo extremista Estado Islâmico. Ele pediu à comunidade internacional que inclua o país na luta contra o movimento.

Em entrevista à agência France Press na terça-feira, dia 17 de novembro, à noite, Dayri diz que o governo líbio tinha "informações confiáveis de que o comando do Estado Islâmico determina aos novos integrantes que se dirijam para a Líbia, e não para a Síria, sobretudo depois dos bombardeios russos" que têm o grupo como alvo desde o fim de setembro.

O ministro condenou os atentados terroristas, que mataram 129 pessoas na sexta-feira (13) na capital francesa e advertiu que o grupo jihadista está reforçando a presença na Líbia.

"Pedimos, com a França e outros, uma ação internacional e uma verdadeira determinação contra o Estado Islâmico, na Síria e no Iraque, mas também na Líbia, porque receio que a Líbia se transforme, em  futuro próximo, no próximo reduto da organização", alerta.

A Líbia mergulhou no caos com o fim do regime de Muammar Kadhafi em 2011. Duas forças políticas lutam pelo poder desde o ano passado, uma com sede em Tripoli e outra, única reconhecida internacionalmente, no Leste do país, em Tobruk.

O ministro conta que o número de combatentes do grupo na Líbia se situa entre 4 mil e 5 mil, sendo os maiores contingentes compostos por tunisianos, sudaneses e iemenitas.

Dayri lembra que o grupo extremista já controla a cidade de Syrte (Leste) e está presente em várias regiões, como Derna e Benghazi (também no Leste). "Ajdabya, no Leste, pode vir a ser o novo reduto da organização", avisa.

Para o chefe da diplomacia líbia, a comunidade internacional não pode exigir uma solução política antes de passar à ação, "dado o perigo crescente que representa o Estado Islâmico".

(com Agência Lusa e Portal EBC)

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade