Publicidade

Estado de Minas BEM-ESTAR

Whey protein pode ajudar quem tem diabetes?

Especialista esclarece essa informação que está circulando na internet


postado em 06/05/2016 11:30

O whey protein geralmente está associado ao ganho de massa muscular, mas, recentemente, uma informação que tem circulado na internet diz que o suplemento alimentar elaborado a partir da proteína extraída do leite também poderia ajudar no tratamento do diabetes tipo 2. De acordo com a corrente, o produto auxiliaria na intolerância à glicose e ainda promoveria a redução do peso corporal. Como a internet é um campo fértil para boatos, recorremos a um especialista para esclarecer a questão.

O endocrinologista Rodrigo Lamounier, diretor clínico do Centro de Diabetes de Belo Horizonte, é enfático ao dizer que o whey protein não vai ser a solução para quem sofre com diabetes. Ele sugere outra opção. "Quem sofre com a doença precisa equilibrar a dieta, com alimentos coloridos e ricos em fibras. Isso é o que faz a diferença, efetivamente", destaca o médico.

Alguns estudos isolados tentam comprovar a eficácia do suplemento no tratamento do diabetes. Pesquisa da Universidade de Melbourne, na Austrália, realizada com pacientes da 3ª idade e praticantes de atividade física, mostrou um benefício discreto nas medidas de glicose dos participantes. Rodrigo Lamounier, no entanto, contesta a metodologia usada para medir a resistência à insulina. "É extremamente precária e não é recomendada. Se for testada com 10 pessoas de metabolismos parecidos, serão 10 resultados diferentes", critica o endocrinologista.

O especialista ressalta que este é um estudo isolado e que não existe embasamento para que o whey protein seja recomendado como parte do tratamento do diabetes. Ele admite que o suplemento pode surtir efeito positivo em pessoas de alto rendimento físico e em idosos, já que estes têm dificuldade de reter proteína no organismo e sofrem perda de massa muscular importante. Mas, isso não significa que o uso do suplemento deva ser deliberado para estes grupos, sem avaliação de um médico, segundo afirma Rodrigo Lamounier.

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade