Publicidade

Estado de Minas COMPORTAMENTO

Cérebro humano não trabalha com cálculos diretos, mas com previsões, diz estudo

Esqueça a aritmética: a mente humana prefere usar a probabilidade de algo ocorrer para realizar as tarefas


postado em 31/08/2016 11:45 / atualizado em 01/09/2016 15:21

Pesquisadores da Universidade de Princeton, nos Estados Unidos, descobriram que o cérebro humano é capaz de realizar cálculos estatísticos complexos e controlar a probabilidade de um evento em tempo real, com base em dados brutos continuamente recebidas dos órgãos dos sentidos. Isso mostra que o principal órgão do nosso corpo tem uma capacidade de trabalho diferente do que se imagina.

Os cientistas realizaram um experimento onde os participantes tiveram que comparar as probabilidades sem pensar em números reais. Se as pessoas tentassem explicitamente usar a matemática, elas falhariam, diz Kenneth Norman, professor do Instituto de Neurociência de Princeton. "Nossos cérebros são horríveis em aritmética. Os cálculos implícitos são muito melhores do que os nossos cálculos explícitos", explica Norman no artigo de divulgação do estudo.

De acordo com os cientistas, o cérebro humano pode controlar com precisão a probabilidade dos vários acontecimentos que a pessoa vê ao seu redor. "Quando eu tento atravessar a rua, não estou realmente analisando cada elemento do ambiente", diz o professor Yael Niv, co-autor do estudo. "Eu estou construindo a narrativa 'esse carro está reduzindo por causa do sinal vermelho'", explica o cientista.

No estudo, Norman e seus colegas observaram o funcionamento dos cérebros dos participantes. Enquanto os estudantes tinham de resolver a tarefa, eles foram submetidos a ressonâncias magnéticas funcionais, capazes de mostrar quais as regiões do cérebro que estavam mais ativas naquele momento. os cientistas revelaram ainda que a parte do cérebro responsável pelas estatísticas é o córtex orbitofrontal, que está envolvido na realização de planos complexos, motivação de ação, decisão e pensamento de ordem superior.

De acordo com o estudo, as características importantes do intelecto humano, como agilidade mental e adaptação rápida a uma nova situação, dependem da configuração e da atividade do córtex orbitofrontal. A pesquisa foi publicada na revista científica Journal of Neuroscience.

(com Agência Brasil)

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade