Publicidade

Estado de Minas POLíTICA

Chega ao fim os 13 anos do governo do PT com saída de Dilma Rousseff

Especialistas analisam o fim da 'era vermelha' na presidência do Brasil


postado em 31/08/2016 15:12

Chega ao fim nesta quarta-feira, dia 31 de agosto, o julgamento do processo de impeachment de Dilma Rousseff, no Senado Federal. Com a decisão dos senadores pelo afastamento definitivo da então presidente, também se encerra um período de 13 anos consecutivos em que o Partido dos Trabalhadores esteve à frente do poder executivo no Brasil.

Eleito por quatro mandatos sucessivos, o PT deixa o protagonismo nacional após consagrar-se como primeiro partido de esquerda a chegar ao poder após a redemocratização do país. Sai de cena com altos índices de desaprovação e marcado por escândalos de corrupção, mas também carrega bons resultados na área social e no combate à desigualdade.

Especialistas ouvidos pela Agência Brasil analisam aspectos fundamentais da gestão petista no poder e a evolução dos principais indicadores econômicos e sociais do país  de 2003 até 2016. Confira:

Economia

Na avaliação da professora de economia da Fundação Getúlio Vargas, Virena Matesco, o primeiro mandato do governo Lula foi marcado por uma continuidade da política macroeconômica estabelecida por Fernando Henrique Cardoso. O campo foi conduzido inicialmente com base em um tripé, que considerava a meta fiscal, com a Lei de Responsabilidade Fiscal orientando estados, municípios e união a gerar superavit primário, proibindo entes de gastar mais do que é arrecadado no orçamento. Além da meta fiscal, foram estabelecidas metas para inflação e câmbio flutuante.

Para Virena, a política macroeconômica do último período da gestão petista, sob a gestão de Dilma Rousseff, foi um "desastre".

"O rompimento do fundamento da economia no governo Dilma, associado a uma política heterodoxa da economia, com o congelamento de preços administrados, que é luz, água, tarifas públicas, combustível, associado ao descontrole nas contas públicas do país, levou o país a um total desastre", explica a professora. "Não é uma questão de ideologia, é uma questão de administração", argumenta.

Entretanto, para o professor do Instituto de Economia, do Centro de Conjuntura da Unicamp, Francisco Luiz Lopreto, a crise que levou à queda do PT no poder foi, em grande parte, produzida pela atuação da própria política brasileira.

"A partir da eleição de Dilma para o segundo mandato, há uma turbulência política que alterou completamente e contaminou todos os indicadores [econômicos] e, em grande medida, tem o reflexo da rixa política que se criou na eleição e isso influenciou diretamente todos os índices porque houve uma suspensão [do governo], as expectativas foram contaminadas", diz.

Para Lopreto, o PT introduziu uma nova forma de governo no país, chamada de "desenvolvimentista social", um contraponto à política neoliberal adotada por Fernando Henrique Cardoso nos anos anteriores.

"Dentro desse desenvolvimento social a proposta básica é avançar e isso tem uma presença mais presente do estado. O estado não está só preocupado com uma presença de desenvolvimento, mas está mais inclusivo. A sociedade mais inclusiva do que foi a grande parte da história econômica do país. Nesse sentido, a grande questão desse desenvolvimentismo social é a melhoria da distribuição de renda", avalia.

Índice de Gini

O professor da área de finanças públicas da Universidade de Brasília (UnB), Roberto Bocaccio Piscitelli aponta que o maior legado da gestão petista foi a ascensão de classes promovidas pelas políticas dos governos petistas. No início do governo, o Índice de Gini, parâmetro internacional para medição de miséria, era de 0,589. Atualmente, o índice está em 0,518. A taxa varia de 0 a 1 e quanto mais próximo a 1, menos distribuição de renda há no país.

"O Brasil é um dos campeões da desigualdade no mundo e nesse período houve uma melhoria, apresentada pelo índice de Gini. Como houve um crescimento, mesmo que moderado da economia, não se pode dizer que alguém saiu perdendo. Houve uma redução e quase eliminação da pobreza. Do ponto de vista econômico, houve uma emergência de classes, rendas mais altas e melhoria de vida com acesso a bens de consumo", explica.

(com Agência Brasil)

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade